Sou um monstro

Tenho uma esposa maravilhosa, mas mesmo assim não consigo parar de traí-la. Saio com garotas de programa e até travestis. Sou extremamente viciado em pornografia e não estou suportando mais essa condição. Senhor, por favor… PERDOA-ME! E ainda não consigo tirar uma ex-namorada da cabeça. Sou um monstro!

 

Reportar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *

2 Comentários

  • Amigos,

    Estou passando por uma situação muito parecida a deste aflito camarada. Sempre fui viciado em pornografia e em sexo, mas quando conheci minha hoje esposa, em 2007, minha obsessão parecia ter cessado, ou amainado.

    Apesar de seguir assistindo compulsivamente a material pornográfico de TODA espécie, ao menos não estava cometendo adultério… até o fim de 2011. Em férias (pela primeira vez separadas das dela), acabei cedendo à tentação e procurei uma garota de programa. E depois outra, e outra, e outra…

    Cada vez que transava com uma estranha, saía do lugar com uma sensação horrível de culpa, jurando que seria a última vez… até que a vontade incontrolável vinha aumentando, aumentando, e culminava em uma nova traição…

    Em abril de 2012, às vésperas de nosso casamento, minha mulher encontrou camisinhas em minhas coisas (algo que não usávamos nunca, mas que eu utilizava com prostitutas). Desesperado ante a possibilidade de perdê-la e arruinar nossa relação, pensei rápido e resolvi mostrar um masturbador que eu havia comprado há algum tempo, dizendo que era com “aquilo” que eu a vinha traindo. Não era totalmente mentira, mas também estava longe de ser a verdade.

    A princípio, ela acreditou. Prosseguimos com os preparativos, e ela, por conta própria, me indicou uma conceituada terapeuta sexual de Porto Alegre. Estava bastante inclinado a consultá-la, mas acabei desistindo. Não sei bem ao certo porque; acho que foi um misto de excesso de confiança, por acreditar que após este susto eu jamais voltaria a traí-la novamente, com o medo de ter que, em algum momento, contar TODA a verdade à minha esposa. Assim, optei por abafar este demônio interno e seguir em frente, como se isto fosse possível.

    Nos casamos em maio de 2012. Em agosto do mesmo ano, ela engravidou de nossa filha. E a esta altura, eu já tinha voltado a procurar prostitutas, bem como retornado com sofreguidão à busca por material pornográfico e à masturbação compulsiva quando estava em casa. Como um agravante, passei a me comportar como um verdadeiro tarado, não conseguindo desviar o olhar de mulheres que nem sempre eram atraentes. As via como objetos, pensando em como poderia transar com elas, como se fossem meros fantoches, sem NENHUM sentimento. E assim segui em minha espiral de (até então) auto-destruição…

    Minha filha nasceu em abril de 2013, e eu continuei com a mesma compulsão. Ninguém nunca me obrigou a ir a um prostíbulo, eu sei; mas acredito que ninguém obriga um alcoólatra a beber, também. O fato é que pensei que teria forças para vencer sozinho este problema, e descubri da pior maneira que NÃO TENHO.

    Há exatos 4 dias, em 26/07, estive em um bordel na parte da tarde. Ao chegar em casa, minha mulher já havia descoberto, e me vi tendo que admitir que não era a primeira, nem segunda, nem terceira vez que aquilo ocorria. Logo, ela juntou os pontos e entendeu que pelo menos desde a sua primeira suspeita, isso já vinha ocorrendo.

    O resultado é que ainda estamos na mesma casa, por nossa filha, ainda que apenas por ela, no tocante à minha esposa. Estou dilacerado, me sentindo a pior das criaturas e profundamente arrependido e desesperado com o que EU causei.

    Estou tentando crescer como pessoa, como HOMEM, principalmente. Liguei, enfim, para a tal terapeuta, e devo me encontrar com ela nos próximos dias. Vou lutar até o fim para tentar reconquistar minha esposa; com menos palavras e mais atitudes, mostrando e não dizendo.

    Estou providenciando a venda (ou o descarte, se não conseguir vender) de TODO o material pornogáfico que tenho em casa. Não acesso a internet para ver NADA que tenha a MENOR conotação sexual, e estou andando como alguém que parece ter medo das pessoas, evitando olhar por mais de 1 segundo para qualquer um. Mas prefiro isso ao que venho vivendo.

    Meu conselho, caro Anônimo, com todo o respeito pela sugestão da Bia: conte tudo a ela. Se você, como eu, omitir justamente a pior parte achando que vai conseguir se conter sozinho, uma hora a conta vai chegar. E o dano pode ser irreparável. É melhor que ela saiba por iniciativa TUA do que descobrindo por si só. Explica tua condição, teu problema. Procura um especialista, FAÇA mais e FALE menos. Para que ela te entenda e te perdoe, sem dúvida TU deves te entender e te perdoar.

    Sei pelo que passas; estou querendo o perdão da minha esposa ao mesmo tempo que tenho de concordar com o nojo, o ódio, a dor e principalmente a recusa dela em me perdoar, pois sei o tamanho dos meus erros. Só te aconselho a não deixar a coisa chegar ao ponto em que chegou para mim.

    Grande abraço!

  • Se sua esposa é tão maravilhosa, pq vc não conta sobre a pornografia? Que é viciado? Não precisa falar sobre gps até pq ela não iria entender. Tenta explicar a situação, de um modo que ela acrescente algo a vc, te ajude a superar isso. Tua ex namorada é passado, lembrança de uma juventude boa e a realidade agora é casamento, contas filhos.
    Um pouco de atenção a sua esposa vai ajudar, leve-a para jantar, faça surpresas, procure coisas novas para fazer com ela.
    SE um dia ela descobrir nunca irá te perdoar, e vc corre o risco de ser um cara de meia idade, sem a namorada, a mulher acompanhado de garotas de programas e sites pornográficos…
    Um cara solitário e vazio, dê valor a que vc tem agora.