Frustação no passado

Eu só acho que fico muito tempo mentindo para mim mesmo… desde jovem tinha uma ansiedade muito grande e tinha que aliviá-la masturbando-me. Não conseguia conviver direito com as pessoas era uma pessoa bem apessoada. Muitas meninas queriam namorar comigo, até conseguia ficar com algumas. Mas não como uma coisa firme. Isso me causa muita angústia quero me livrar dissoe não consigo. Todo dia peço a DEUS para me ajudar. Hoje erm dia passei a frenquentar um terma e acho horrível porque não consigo me controlar. Acho que todo mundo sabe e fica julgando. Estou com um medo danado de morrer, coisas que não tinham no passado. Atualmente sou casado e tenho uma filha que é linda. Gastei muito dinheiro com jogo e bebidas e mulheres, uma coisa muito louca e que na verdade me envergonha muito. Talvez alguma frustação no passado. Acontece que adquiri um emprestimo muito grande que mecheu com a minha vida. Tive que pagar muita coisa e que me deixou muito estressado. As vezes acho que estou ficando maluco ou coisa pior. Procurei ajuda médica e conseguir me livrar da bebida e do cigarro. Mas perdi muita noite de sono tentando vencer estes vícios que não são fáceis não. Quero viver mas é complicado, parece que vivo assombrado achando que não terei mais sossego nesta vida. Peço a DEUS proteção para conseguir sair dessa. Tenho muita vergonha. Jamais imaginei que tal coisa você acontecer comigo e olha que já tem bastante tempo. ESTA AÍ O MEU TESTEMUNHO.

 

Reportar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *

1 Comentário

  • Tua felicidade e tua tristeza dependem unicamente de você, meu caro. Um vício é apenas a manifestação de um apego a algo, que a sua mente acredita ser extremamente necessário. Mas nada – acredite – nada é “extremamente” necessário.

    A vida é simples, breve e passageira.

    Condenar a si mesmo é algo torturante. Não faça mais isso. Um conselho que lhe dou para sentir-se melhor é ler o livro “O domínio de si mesmo pela auto-sugestão consciente de Emile Coué”, disponível na internet.

    Um abraço!