Minha história de sofrimentos

Minha história não é muito diferente das outras que li aqui.
Minha mãe sempre foi uma pessoa perturbada e problemática, tentou me abortar, praticou alguns abortos e deu um irmão meu para outra família criar. Sem motivo aparente, sempre externou raiva e ódio de mim, por isso fui criada pela minha avó.
Durante minha infância sofri abusos sexuais, o que me gera sofrimento até hoje. Aos 17 anos engravidei de um qualquer, que não assumiu o filho. Aos 18, saí de casa, fui morar com um homem que me batia muito, após muita humilhação e sofrimento, separei. Depois, tive dois relacionamentos frustrados, nos quais por ingenuidade, imaturidade e falta de apoio, pratiquei 3 abortos. Hoje, sofro muito mais pela culpa dessas práticas, do que pela dor do passado sofrido.
Por isso, aqui, nesta oportunidade, imploro pelo perdão das almas desses anjinho. Quero dizer lhes, que eu os amo muito, que estão presentes em meu coração e que espero um dia poder abraça-los e expressar todo meu amor.

 

Reportar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *

2 Comentários

  • Fico pensando, como se faz coisas erradas. Na maioria das vezes que fazemos tudo certo e ainda assim as coisas podem dar errada. Imagina, aonde as coisas irão parar agindo sem pensar nas consequências. Detalhe: A culpa são de outros. Uma exemplo é a minha faxineira. Tendo um filho de 15 anos, criado a solta e só andando com maus elementos e eu sabendo onde aquilo ia terminar, disse a ela que deveria coloca-lo em algum colégio interno, onde ficasse internado e só saísse depois de formado. Pois é depois de tanto eu falar, ele entrou em uma escola agrícola com o proposito de sair de lá após 3 anos e já com uma profissão. Pois bem o garoto entrou contra a vontade e não demorou muito para abandonar a escola. Disse que ia trabalhar. Ajudei a arrumar um emprego em uma serraria e depois de uns dias, disse que o salario era muito baixo e saiu do serviço. Depois disse que estava trabalhando em outra cidade próxima. Pois é, em pouco tempo comprou um terreno com rendimentos desse novo trabalho, pouco depois comprou um carro , já estava contratando pedreiro para começar a construir uma casa neste terreno. Perguntei a minha faxineira que serviço ele fazia e ela me disse que não sabia direito, mas que ele tinha encontrado o seu caminho e que estava ganhando dinheiro e era isso que importava. Novamente eu disse que ela deveria saber mais sobre o filho e recebi uma resposta até grosseira. Não toquei mais no assunto. Não demorou e ficamos sabendo o que ele fazia. Traficante de drogas. Foi preso em flagrante e corrupção de menor. Resultado: 8 anos de cana em regime fechado, isso porque era réu primário. Bom minha faxineira continuou a trabalhar para mim e sempre ia visitar o filho . Numa destas viagens para visitar o filho, foi abordada pela policia e descobriram que ela levava droga para dentro do presidio. Pois é no final estavam presos, mãe e filho. O advogado de defesa , me pediu para testemunhar a favor dela, já que eu a conhecia a muito tempo. Eu disse ao advogado que eu não faria isso, pois eu não poderia defender traficante. Essa historia serve para mostrar que as coisas tem que ser levado a sério, pois senão somente um final triste nos espera.

  • Minha amiga, troque a culpa pela responsabilidade. A culpa aprisiona, paralisa. A responsabilidade faz agir e tranquiliza. Você não pode voltar atrás e desfazer os abortos, mas pode seguir em frente ajudar outras crianças a viver. Seja voluntária em creches, ajude famílias carentes, doe o que puder às instituições de caridade, enfim, mostre para você mesma que você não é má, apenas agiu mal em uma circunstância difícil. “Deus é amor” (1 Jo 4). Deus perdoa. Perdoe-se também e procure fazer o bem. Retire este fardo de seus ombros, cobrindo o mal com o bem. Tranquilidade e boa sorte nos trabalhos voluntários!