Não sei o que fazer com meus pais

Estou a viver um sério problema que tenho de enfrentar sozinho, pois não o posso contar para ninguém e estou precisando de ajuda para tomar uma decisão. Felizmente encontrei este vosso site que talvez me possa ajudar. Para tal e melhor que eu conte um pouco daquilo que me aconteceu e que estou vivendo.

Quando eu tinha sete anos de idade meu pai emigrou para um pais da América do Sul e eu fiquei só com a minha mãe e a minha avo que depois veio a falecer. A minha infância foi absolutamente normal tendo no entanto vivido sempre ligado muito na minha mãe. Posso dizer que éramos dois bons amigos, mantendo no entanto sempre a relação mãe/filho.

Há cinco anos atrás estávamos de ferias na praia e saímos a noite a um bar para beber um copo. Fomos conversando banalidades ate que começamos a falar da minha namorada que tinha ido para os EUA com os pais, quando eu lhe perguntei se ela também não tinha um namorado, pois ela era uma mulher nova com 38 anos e estávamos no séc. XXI e o meu pai há oito anos que não vinha a casa, que eu ate compreendia que isso acontecesse pois ela era uma mulher bastante interessante.

Ela olhou para mim, riu-se e disse: realmente o meu filho já e um homem e ainda bem que ele acha que tem uma mãe bonita. E continuou, ao longo destes anos todos sozinha já tive alguns pretendentes, mas ate hoje só tive dois homens na minha vida, tu e o teu pai, e quanto ao resto que estas a pensar eu cá me vou arranjando sozinha. A conversa derivou para outro lado e acabamos de voltar como de costume abraçados para o hotel.

Não sei o que se passou naquela conversa, o que sei e que a partir daquela noite parece que se quebrou a relação mãe/filho e passamos a nos olhar como dois amigos adultos que vivem juntos.

Uma tarde cheguei da faculdade muito feliz pois tinha tido uma boa nota num exame e quando lhe comuniquei, ela deu-me dois beijinhos e abraçou-se a mim, e assim ficamos durante algum tempo, pouco, mas o suficiente para eu ter tido uma erecçao, coisa que nunca tinha acontecido antes.
Ao sentir o que estava acontecendo comigo, a minha mãe apertou-me ainda mais contra ela e não tardou muito que nos estivessemos beijando e acariciando loucamente, o que acabou, como era de esperar, em incesto completo.

Quando acabamos a nossa loucura senti uma vergonha enorme, pedi desculpas e jurei que nunca mais voltava a acontecer. A minha mãe chorava e dizia que eu não tinha a culpa, que esta tinha sido dela, mas que tinha sido a primeira e ultima vez.

Andamos mais de uma semana envergonhados, evitando quase que falar e tocar, ate que a relação foi normalizando e criamos coragem para voltar a falar do assunto.
Aquilo não estava certo, era pecado, que não devia ter acontecido, mas que a carne e fraca, etc.

Passados três meses fomos fazer uma viagem e ficamos no mesmo quarto no hotel. Tinhamos acabado de tomar banho e estávamos enrolados só nas toalhas quando começamos na brincadeira e quando demos poe ela estavamos os dois a nos beijar e voltou a acontecer, desta vez ainda com maior paixão e prazer, e foi a primeira vez que adormecemos juntos. De manha quando acordamos voltamos a sentir o mesmo sentimento de culpa e voltamos a jurar que seria a ultima vez. Continuamos assim durante dois anos, ate que há três anos atrás, depois de termos muito estudado o assunto e termos chegado a conclusao de que incesto é um tabu igual ao que era o dos homosexuais e que não tem qualquer tipo de justificação a nao ser em mentes pouco esclarecidas, que poderíamos assumir a nossa relação sem termos de nos estar a culpar cada vez que estivessemos juntos, ate porque a nossa relação era cada vez mais forte e o nosso prazer em estarmos juntos um com o outro cada vez mais intenso.

Tudo correu bem ate há um ano atrás, nos éramos um casal que se amava de duas maneiras.
O meu pai, 17 anos mais velho que a minha mãe e que tinha uma outra família no pais onde estava resolveu voltar pois estasse a sentir velho e doente, e como tal voltou para casa e ocupou o seu lugar de marido e pai, que sempre foi ausente.

A minha mãe neste momento segundo ela diz e eu acredito, não sente qualquer amor por ele, somente respeito, no entanto a nossa relação acabou, o que esta a ser muito duro para ambos, no entanto eu sinto que tenho um tratamento diferenciado em relação ao meu pai, e e isso que me mete medo e não sei o que fazer, mas também nao quero magoar a minha mae e sair de casa, mas tenho um medo terrível que ele possa descobrir que nos tivemos uma relaçao, pois iria ser muito duro para ele. Cada vez que ele fala comigo penso sempre que me vai dizer que sabe e fico aterrorizado.
Um dia perguntou-me se a minha mãe tinha tido algum namorado na sua ausência, e eu pensei que com aquela pergunta ele me ia dizer que sabia.
Para a minha mãe esta a ser muito duro, pois ficou privada de todo o prazer que sentia, e agora diz que se sente como uma prostituta quando tem de estar com o meu pai.
A relação entre eles esta muito deteriorada, e eu sinto que sou o causador, por isso não sei o que hei-de fazer.

Gostaria de conhecer a opinião de alguém que já tivesse vivido uma situaçao semelhante ou de alguém que me pudesse ajudar com os seus conselhos a diminuir este meu peso.

 

Reportar Sexo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *

3 Comentários

  • Deus odeia pecado sai dessa vida,a bíblia diz honra teu pai e tua mãe.Nós fazemos nossas escolhas na terra,porém quando morremos vamos para o céu ou inferno,pois Deus é Santo sem santificacao não veremos a Deus.O proprioJesus foi tentado mas venceu o diabo com a palavra de Deus,peça perdão a jesus sua morte na cruz não foi em vão.Aceite jesus Cristo na sua vida fuja da aparência do mal.Deus não tem ninguém por inocente ou seja a pessoa sabe muito bem o que está fazendo.

  • olá amigo. A culpa lúcida sempre é positiva porque nos faz refletir sobre nossos atos. Porém a culpa tormentosa e de longa duração nos traz inúmeros transtornos e só prrejudica. Nem culpa e nem desculpa, o ideal é a busca da responsabilidade. É provável que incosciêntemente vc quiz assumir o lugar do marido ausente para sua mãe, e ela, procurou em você o afeto masculino que não teve a contento com seu. Mas o que ocorre muito é que em vidas anteriores ou em uma delas você pode ter sido conjuge com sua mãe, retornando nesta encarnação como filho e não marido ou esposa. A família é estagio para que um dia amemos toda a humanidade como uma grande e única família. Procure um psicólogo de preferência espiritualista, pois é bem provável que seu caso se deriva de relacionamentos mal resolvidos no passado. Abraço fiquem com Deus!

  • cara vai nessa fala pra sua mãe abrir o jogo e esquecer um pai tão ausente com outra família!!!