Noite de terror no meu banheiro

Estou aqui para desabafar sobre uma noite que eu realmente queria esquecer.
Estava com meu marido em casa, era final de semana e estávamos descansando. Um dos melhores amigos dele e a namorada bateram na porta e nos convidaram para um “rolê” grátis. Fomos à um barzinho e bebemos, rimos, comemos e voltamos para minha casa. Eu já estava tão cansada e eu ia trabalhar bem cedo no dia seguinte, já tava de saco cheio dos beberrões. Os dois saíram pra conversar com um amigo que morava ali perto, eu deixei a namorada do rapaz deitada na minha cama e fui tomar um banho. Estava lá eu lavando meu cabelo quando olhei para cima vi um celular com a câmera virada para mim. Comecei a chamar pela menina e xingar ela ao mesmo tempo achando que a mesma estava me zuando. Joguei bastante água no celular pra tirarem ele da janela. Quando o vulto se afastou eu percebi que era um homem, e grande! Entrei em pânico pois não dava pra enxergar quem era por causa do vidro embaçado do banheiro. Eu só via aquele vulto me olhando e dando risada. Comecei a gritar desesperadamente pelo meu marido mas ninguém me ouviu e eu lembrei que ele não estava em casa. Comecei a gritar pela menina e nada dela responder também. Me desesperei porque pensei que ele tinha dado “um jeito” nela e eu estava ali sozinha com um tarado imenso e estranho e eu estava nua, o que era pior ainda, porque me sentia ainda mais vulnerável. Minha voz já estava ficando rouca de tanto gritar e ele começou a rir ainda mais alto como se me dissesse que ninguém ia vir e eu não tinha chance contra ele. Ele começou a ir e vir na minha janela e eu reparei na camisa listrada e no boné preto que ele vestia, foram as únicas coisas que eu consegui enxergar naquele vidro embaçado. Fiquei esperando ali e olhando pra ele pelo vidro até que ele sumiu mas voltou, e ficava fazendo isso como se estivesse brincando de esconde comigo, ele se afastava e abria um sorriso maligno para mim. Até que ele não voltou mais. Passou um tempo ouvi a voz do meu marido e sai do banheiro atônita sem entender o que havia acontecido e desconfiada de tudo. Corri para o quarto e lá estava a namorada do rapaz deitada na minha cama, estava tudo bem com ela. Perguntei se ela havia me ouvido gritar e ela disse calmamente que não e que estava morrendo de sono, eu percebi que ela estava assistindo um filme em volume alto e que a tv da sala havia sido ligada também em volume alto então ninguém ia me ouvir mesmo. Voltei para a cozinha e comecei a reparar em volta. Meu marido estava de pé conversando com o amigo dele e eu dei uma boa reparada no amigo. Ele não estava usando nenhum boné e estava de blusa de moletom preto, logo ele não se encaixava no perfil. Comecei a questionar os dois se mais alguém havia entrado na casa junto com eles e disseram que não. Olhei de novo para o amigo com maior precisão. Ele levantou os braços para arrumar o cabelo e eu reparei que ele não estava com camisa por baixo, foi quando reparei na camisa listrada pendurada na cadeira da cozinha, me apavorei e apertei o passo para o quarto e no caminho eu vi o boné preto meio escondido debaixo de um cobertor em cima do sofá da sala. Juntei tudo e percebi que tudo aquilo tinha sido ele e bem de propósito pois ele teve o cuidado de esconder tudo depois. Eu tremia de cima a baixo e queria contar tudo pro meu marido mas não podia dizer nada porque no estado em que estavam os dois, iam se matar na minha casa. Fiquei muito emburrada e pedi pro meu marido que levassem os dois embora porque eu queria dormir. No caminho, eu não disse uma palavra na ida e tentei não dizer na volta, porque tive medo que meu marido voltasse na casa dele e o matasse. Chegando em casa contei tudo pra ele. Ele se enfureceu, ficou bravo comigo por um segundo por não ter dito na hora mas depois ele pensou e viu que foi melhor assim. Nos afastamos e não, ele não fez nada. Foi assim que ele me disse “Olha, a única coisa que eu posso fazer é matar ele. Mas se eu fizer isso, eu fico sem você. Então não farei nada.”, eu concordei e assim ficamos. Guardo isso dentro de mim e as vezes fico olhando pela janela do banheiro pra ter certeza que não tem ninguém me vigiando. Pode até parecer besteira para alguns. Mas, na hora em que me vi sozinha, com um homem imenso e estranho me vigiando no chuveiro, rindo pra mim, eu sem voz, sem roupa e sem ter para onde correr, me senti em um filme de terror, como se aqueles fossem meus últimos momentos.

 

Reportar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *

3 Comentários

  • ”ele se afastava e abria um sorriso maligno para mim.”
    Então você viu o rosto do tarado, afinal. Graças a Deus, assim pode fazer uma queixa na Delegacia, amiga… Sobretudo porque desxcobriu quem é o engraçadinho, não é mesmo?
    Muito bom de coração e muito sábio o seu esposo em não matar o cidadão. Apenas que ele poderia ter se lembrado do Distrito de policia. Mas voc~e, agora, já pode pensar nisso, não é mesmo?

  • Isso aqui é um site de confissões e não de contos de terror!
    Não sei se isso foi verdade ou é uma história inventada!
    parece muito fantasioso pra ser verdade, e esse texto ta muito longo não acha que cansa os leitores?

    • kk! O pior foi o final, onde tudo acaba bem, o marido dela é um santo de coração e ficou tudo por isso mesmo, tendo eles inclusive levado o casal numa boua pra casa deles! kkkkk