Eu sonho acordada!

Olá. É difícil ter que falar sobre isso com outras pessoas e pedir para ir a um psicólogo ou psiquiatra, acho que minha mãe me diria que o que tenho é normal e não me levaria, e também não quero me expor. Por esses motivos estou aqui. Meu nome é ***** e tenho 17 anos, ou seja, sou uma adolescente e imagino que isso vá ser levado em conta (geralmente é o que as pessoas dizem! :P). Eu tenho mania de imaginar outra vida. Eu escuto música (geralmente agitadas) e fico dançando, falando sozinha com amigos. Eu imagino que tenho um namorado e amigos. Estamos sempre conversando, fazendo algo legal e sou o centro das atenções. Esses amigos são pessoas que conheço, estudam comigo ou que já ouvi falar (algumas inclusive moram em outro país, mas não sabem da minha existência – eu tenho um amigo inglês e incluo ele e os amigos dele que fucei no facebook nessa história louca). Eu geralmente faço isso quando estou a toa, mas as vezes quando preciso estudar, tenho dificuldade de me concentrar, fico com uma ansiedade muito grande e tenho necessidade de imaginar as coisas. A parte do namoro eu acho que posso compreender – sempre quis muito ter um namorado. Mas a parte da amizade é que eu não entendo o por que. . . eu tenho amigos na escola, pessoas próximas. Acho que no fundo não incluo eles nos meus “sonhos” por que acho que não são descolados o suficiente para a situação que quero imaginar.
O meu comportamento nos meus “sonhos” é bem diferente da vida real. Eu não sou uma pessoa introvertida, eu falo com os outros normalmente e tenho uma boa relação com toda a turma, no entanto, não tendo a querer ou a mostrar que quero ser o centro das atenções (no mundo real). Só faço isso nos meus sonhos.
As vezes penso que perco bastante tempo imaginando esse mundo… cada rapaz que conheço e venho a me interessar entra no meu mundo. Eu fuço a vida da pessoa e uso seus amigos e informações, suas vivências para “incrementar” os meus “sonhos”. Eu melhoro minhas vivências e as vivências dos outros nas situações que quero viver. Acho que estou vivendo a vida de outra pessoa ao invés da minha, vivendo o que gostaria de ser e fazer. Meus sonhos ultrapassam a fronteira até do nosso próprio país.
Venho fazendo isso desde 2011 e sei que não sou a única, mas quero parar. Eu pesquisei na internet (e através dessas pesquisas encontrei o site) e vi que outras pessoas fazem coisas parecidas: usam música e imaginam outro mundo, com pessoas que conhecem direta ou indiretamente. Eu não sei o que me levou a isso… só sei que quando eu comecei, em 2011, estava sobre uma grande tensão para fazer o vestibular para escolas técnicas.
O que eu gostaria de saber é:
1- isso é normal?
2- há alguma maneira de parar? (eu quero parar mesmo que seja normal)
3- devo procurar um psicólogo ou psiquiatra?
4- podem existir outros motivos para o que estou fazendo (disseram, nas minhas pesquisas, que isso era uma maneira de escapar da realidade)?

Por favor, fale se tiver outra coisa a comentar. Espero sinceramente que possa me ajudar. Gostaria de ressaltar que sei diferenciar a realidade da fantasia e que consigo realizar as minhas tarefas, isto é, esses “sonhos” não dominam a minha vida. Sei quem eu sou e onde estou quando estou fazendo isso. Tenho plena consciência de tudo a minha volta.
Eu estudo muito, sou bastante aplicada e tiro notas boas. Agora estou em ano de vestibular e quero prestar medicina, então estudo mais ainda. Tenho pouco tempo para sair e me divertir. Além disso, meu pai e minha mãe não gostam muito que eu saia (quando eu era mais nova, eu sofria muito por isso, não me achava “descolada” por que não podia ir a lugar algum). Agora eu já me acostumei com o fato deles não deixarem eu sair muito. Comecei a usar esse tempo livre para a estudar e tomei gosto pela coisa… como uma forma de não ficar rancorosa por não poder passear com amigos. Será que a parte da vida social que eu deveria ter, estou tentando conseguir através desses sonhos? Por que foi em 2011 que comecei a ser realmente estudiosa e esquecer a vida social…. e foi quando tudo começou. As vezes penso que depois que o vestibular passar e (se Deus quiser!) eu conseguir ser aprovada vou poder ter um pouco mais de vida social… já que estarei na faculdade e encaminhada para um futuro profissional. Mantive esse pensamento durante o ensino médio inteiro… tenho medo de curtir agora e me arrepender por não ter um bom emprego depois. Se por um lado eu consigo me sair bem nas provas por fazer isso, por outro acho que minha mente está sendo seriamente afetada. Muitas vezes penso até que não nasci para ter uma família, amigos e uma vida social agitada… penso mais que nasci para o trabalho e para a vida acadêmica. E isso é horrível… :( Me ajude por favor! Não quero ter esse tipo de crise em ano de vestibular!
Um grande abraço.

 

Reportar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *

213 Comentários

  • Olá meu nome é Cintia Raquel, e essa é a ultima vez que visito essa página, bom quem leu meus comentários anteriore deve saber que foi justamente essa página que me fez querer por fim a esse hábito “bobo”, e por isso eu de vez enguanto eu ainda vinha dar uma olhadinha aqui.
    Mas como eu já disse antes, MDD é um hábito que eu não conservo mais em minha vida, alem das dicas que eu dei em outro comentário, o que me ajudou foi escrever, sabe por no papel tudo que tinha dentro da minha cabeça me fez perceber o quanto isso é doentil (é como conhecer um casal de amigos que namoram e que tem problemas no relacionamento, você que está fora vê as coisas de maneira muito clara do que eles que estão no dito racionamento) e comigo foi igual, por meus delirios no papel me fez enchergar tudo de uma maneira completamente diferente, e só o fato de eu começar a duvidar de minha sanidade foi assustador, e isso me fez chegar a uma conclusão ate então impercepitivel pra mim: eu sou jovem eu tenho 23 anos eu tenho uma vida toda pela frente, eu não posso, e eu não quero, aceitar que eu estou condenada a viver assim pelo resto de minha vida, eu quero ser feliz, eu quero controlar meus pensamentos e minhas emoções e não que eles me controlem. Outra coisa que me fez parar com isso foi dividir meus delirios e avalialos, perguntar a mim mesma: “por que desse devaneio?” “o que eu estou buscando nesse devaneio?” “que emoção ele me traz ou que sensação eu sinto com ele?”..
    Então eu comecei a perceber que não era nada de mais eu fazia mais pelo hábito de fazer, é como fuma para um fumante, fumar não traz nenhum benefio a ele, não é especial, nem nada, e o MDD tambem, voce tem devaneios por que seu cerebro atua para isso, só isso… mude sua meneira de pensar e tudo mudara..
    Outra coisa que eu aprendi é que o MDD não é meu inimigo e muito menos um mundo, ou um refugio, ou uma valvula de escape para a realidade, ele não é a divisão desse mundo com o mundo da imaginaçã, ele é a divisão do meu proprio eu, sabe todas aquelas emoções e todos aqueles sentimentos que “aquela linda mulher” que eu era em meus devaneios tinha, são meus, eu só não sabia adiministra-los, e hoje eu percebo que tem muita coisa com que eu delirava que eu não quero que aconteça, eu não preciso disso pra ser feliz, e eu so tive que assumir a pessoa que eu sou e mandar ” aquela linda mulher” embora, antes não eu jamais mandaria “aquela linda mulher” embora por que eu queria ser ela, bem sucedida, com um lindo sorriso, confiante, com auto-estima lá em cima… mas qual é?… essa mulher não existe, nem nunca existiu,… e como eu consegui mandar ela e todos os pessonagem que cercavam a vida dela embora? Aceitando a pessoa que eu, sou admitindo a pessoa que eu sou, e sabe como é que eu sou? FEIA, sem vida social, os homens riem de mim na rua, eu sou praticamente outro homem pra eles, eu tenho que admitir, isso, de os homens rirem de mim, já me magou muito, mais hoje em dia eu não ligo mais pra isso, sabe por que? Porque para alcançar os meus sonhos eu não preciso de beleza, eu preciso de inteligencia, e isso eu tenho sobra (opa! acho que to sendo muito modesta, so que não, rsrs), sabe o que eu tambem preciso, ser determinada, valante, energica, e não de uma lindo rostinho, e so pra constar eu tambem não preciso de um homem para alcancar meus sonhos, por que as minhas vitorias são so minhas, as minhas conquistas tambem são so minhas, e eu não posso achar que eu preciso de um “lindo principe encantado” ao meu lado para que eu seja feliz, por que a nossa felicidade so depende de nos mesmos, não coloque sua felicidade na mão dos outros, não espere que eles reconhecam o seu valor, ninguem vai fazer isso por voce, nosso valor e o que nos faz feliz so nos sabemos.
    Sabe o que mais?…  Eu sou livre, livre para buscar tudo que eu quiser na minha vida, e talves algum dia eu ate possa ficar bunitinha, so que ja foi o dia em que isso era uma obsessão tão grande que eu acabava deslizando em devaneios para encontrar isso que eu tanto queria, mas hoje.. hoje eu estou em paz comigo mesma… e eu to tão feliz, aquela angustia, aqula aflição de ser a “FEIA”, acabou, eu me amo com eu sou e eu amo a minha vida, eu amo pode viver, eu amo essa liberdade, e eu sei que Deus me ama pelo que tem dentro do meu coração e não pela minha aparência, eu agradeço a ele essa vitoria na minha vida eu não teria conseguido sem ele,… e que saber.. dane-se o que os outros pensam de mim, eu sou livre para ir em busca dos meus sonhos, fazer faculdade, que so agora eu vim perceber que é isso que eu quero pra mim, ter uma profissão, fazer o que eu amo pelo resto de minha vida (preciso dizer que to me debulhando em lagrimas? Mas não é triteza, é alegria, a mais pura e genuina FE-LI-CI-DA-DE)
    Eu passei 5 anos de minha vida, quando eu terminei o ensino médio, só em devaneios e quando eu olho para esse 5 anos parece que eu passei esse tempo todo dormindo, muitas coisas aconteceram na vida das pessoas ao meu redor so não na minha, e não por acaso.. mas eu não lamento ter passado esse tempo todo em devaneios, nada na vida é por acaso, e eu to feliz de ter acordado pra vida..
    Sabe por que é dificil encontrar pessoas que já conseguiram parar os devaneios, por que elas estão muito ocupadas vivendo a vida delas, e não é egoismo só quem tem esse hábito inutil e se livra dele sabe como é bom se sentir LIVRE, e essa sensação tá ao alcance de qualquer um, acredite em mim, acredite em voce tambem e voce verá, é muito mais facil do que imagina.
    Um ultima dica: Ponha pra fora tudo que ta ai dentro de voce, raiva, tristesa, medo, alegria, felicidade, ponha tudo pra fora, não reprima nada, nehuma emoção, nenhum sentimento, o maior desencadeador de devaneios é reprimir emoções e sentimentos… um ex. (apenas um exemplo, não precisar levar ao pé da letra, é so pra melhor esclarecer) : “se voce topar em uma pedra na rua chinga ela, briga com ela, pergunta quem pos ela lá?”, não ligue se as pessoas vão te achar louco, ponha pra fora, danesse o que os outros pensam a pessoa mais importante aqui é voce…
    Mas não exagera, não vai sair discutindo com tudo e com todos, tem coisas que nem valem apena se estressar, o importante é não reprimir emoções..
    Voce pode tentar tambem, a meditação, ela ajuda a acalmar a mente,e organizar os pensamentos, é muito bom, bom de verdade.
    Recaídas, tive algumas, e isso é totalmente normal, ruim é a culpa que agente sente depois, e você vai aprendendo lidar com essa culpa, só não se desespere e nem se angustui, seja paciênte e tudo dara certo, vai chegar o dia em que voce não se quer acreditar que falava com as paredes, e voce pode ter certeza nessa hora voce vai rir, eu levei quase um ano para me sentir assim, incredulá eu dizia a mim mesma: “eu não acredito que algum dia eu já fui assim?” ai eu começa a rir sozinha, mais deu certo, no final deu tudo certo.
    Bom, ja falei abrobrinha demais, boa sorte pra todo mundo, todo mundo tem um caminho na vida e eu ja encontrei o meu, espero que quem não encontou ainda o seu caminho logo o encontre, e quem já o encontrou não se disvie dele, siga sempre enfrente.
    Pra terminar uma frase:
    ” Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho” -Mahatma Gandhi.

  • eu também sofro disso e horrivél as vezes me atrapalha muito como se fosse uma barreira pro mundo real eu quero parar e não consigo as vezes choro de raiva e medo isso esta realmente me atrapalhando estou sem chão.

  • bom eu sou alguém nn quero falar quem sou pq tbm e meio estranho
    tenho mesma coisa so que fico rindo com coisas vergonhas que passam na cabeca eu tento controlarmas nn consigo.
    e comeco se eu tivesse onde um menino que comecei pudesse me ver .
    as vezes estou na igreja e como se imaginasse ele la comigo me vendo bonita.
    tenho a necessidade que ele veja bem e bonita e tenho medo de passa vergonha na frente de novo.
    tenho dificuldaee de fala com aa pessoaa minha mente desconcentra e como se eu tivesse numa rua publica com el me olhand e fosse fala uma besteira na frente dele de novo .so me sinto a vontade dentro do meu guarto onde entro em devaneios sozinha e fico rindo sem ninguem me ver be me julgae tenho medo de tudo de agir de falar tudo me causa desconforto e medo.
    e tbm quando ouço música minha mente vaga imagino dancando e cantando na frente de muita gente. e outras coisas ajo como se estivesee em outro lugar senpre assim atitudes olhares como se estivesee em outro luga e passando vergonha perto das pessoas.

  • Daydreaming Maladaptive – DM

    Devaneio excessivo é um conceito de psicologia que foi introduzido por Eli Somer para descrever uma atividade de fantasia excessiva que substitua a interação humana dos indivíduos ou que interfira com as suas atividades diárias. Os devaneios podem ter origem durante a infância devido a abusos ou problemas emocionais que não tenham sido endereçados, o que faz com que os indivíduos comecem a devanear como escape para os problemas reais.
    Segue abaixo uma lista criada por Cordellia Amethyste Rose e pode ser encontrada em inglês no site: daydreamingdisorder.webs.com. Esse foi o site que entrei em contato primeiro e é repleto de informações interessantes sobre Maladaptive Daydreaming. Cordellia, eu acredito, provavelmente é a pessoa mais dedicada a discutir e tornar público o Maladaptive Daydreaming para o público em geral. Ela sofre do problema desde pequena e hoje, já na faixa dos 50 anos de idade, percebeu que jogou a vida fora. Não se casou nem teve filhos e quer ajudar pessoas para que não cometam o mesmo erro.
    O canal do youtube dela: youtube.com/user/AmethysteRose

    É difícil encontrar quem use o nome verdadeiro para falar deste problema. Existe um grande estigma em estar associado a uma “doença inexistente” que não é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS). No inquérito feito por Bigelsen e Schupack da Universidade de Fordham, os intervenientes admitiram ter vergonha do distúrbio, recorrendo a grandes esforços para manter o comportamento um segredo.

  • Oi,
    Meu nome é Giselle, tenho 21 anos e tenho essa “mania” de sonhar acordada. Eu tenho esse mundinho a muito tempo, eu criei um lugar onde eu sou bonita, determinada, o centro das atenções, onde tenho amigos e um namorado legal, q gosta de mim, diferente do real.Eu acredito q criei esse mundinho como um escape da vida Real, e ele também é baseado através das músicas que ouço, filmes e séries q assisto. Eu vivo mais nele do que na vida Real, e toda vez q eu to triste, ou me sinto por baixo, automaticamente eu começo a idealizar diversas situações no meu mundinho particular. Eu sei q comigo isso acontece porque tenho uma autoestima bem baixa, e desde qnd eu tava no colegial esse mundinho era o lugar onde eu me sentia bem, enquanto minhas amigas estavam namorando e os garotos desejando elas, eu sabia que isso não aconteceria comigo , pois não sou bonita, então para n me senti um lixo eu preferia ficar no meu mundo. Hj eu to na faculdade e ainda vivo nesse mundo, que acabou se tornando mais real do que o mundo q eu realmnete vivo. O problema é q qnd me tocou q tudo não passa de fantasias, dói muito, ai vejo q no mundo real eu sempre vou ser essa menina triste, sem autoestima , e sem esperanças d q algum dia, algum garoto se interesse por mim. Eu queria que isso parasse, mas parece difícil se livrar de algo que tá enraizado em vc.

    • Também passo por esse tipo de situação. Começou aos 13 anos ao assistir um filme e agora tenho 25 e não consigo parar. Isso tomou conta de mim, sempre imagino situações com pessoas da minha vida real nas quais sempre estou fazendo ou dizendo coisas que encantam e impressionam essas pessoa, acho que faço isso porque não tenho talento nenhum, tenho dificuldades de me encaixar em grupos, me sinto feia e burra, embora as pessoas digam que sou inteligente, sofro com ansiedade e baixa estima. Sempre corro pra esse mundo imaginário quando estou triste, ansiosa, animada, com raiva, é cada mais forte e tem me dominado, queria parar, mas parece ser a única coisa que me faz fugir da minha infelicidade. Ninguém à minha volta sabe disso porque tenho medo de ser julgada, se eu procurar ajuda profissional vou ter que me explicar com minha família e não posso.

  • Olá, meu nome é amanda e tenho 16 anos, acho que encontrei alguém que sonha acordada que nem eu, eu quando escuto música fico imaginando coisas, situações. E sempre eu sou o centro da atenção, fico ouvindo música fazendo um círculo mas só que “pulando” imagine só! Começou a ter esse comportamento desde 2012, e até hoje faço, o problema é que pra mim já virou um vício que não posso estar sem, se acontecer alguma coisa, mesmo algo ruim eu fico escutando música e imaginando aquela situação ou de uma maneira bem mais legal, sempre imagino coisas que eu posso ter ou fazer, sempre coisas boas, ou dramas, e todo mundo aqui em casa já estao acostumados de entrar no quarto e me ver pulando fazendo um círculo feito uma doida, pior é que até em outros comida da casa eu costumo fazer esse tipo de dança que já virou ritual pra mim, quero fazer medicina tambm mas só que nos últimos ntempos minhas notas baixaram muito pelo facto de eu não conseguir me concentrar, focar muito nos meus estudos pela ansiedade de pegar no fone de ouvido e ficar pulando e girando , e isso tem me afetado muito, porque eu já não conssigo ficar sem , to desesperada mesmo, e precisamente estava pesquisando sobre isso e deparei com quase o mesmo tipo de situação, a pergunta é, como parar!

    • Olá, meu nome é amanda e tenho 16 anos, acho que encontrei alguém que sonha acordada que nem eu, eu quando escuto música fico imaginando coisas, situações. E sempre eu sou o centro da atenção, fico ouvindo música fazendo um círculo mas só que “pulando” imagine só! Começou a ter esse comportamento desde 2012, e até hoje faço, o problema é que pra mim já virou um vício que não posso estar sem, se acontecer alguma coisa, mesmo algo ruim eu fico escutando música e imaginando aquela situação ou de uma maneira bem mais legal, sempre imagino coisas que eu posso ter ou fazer, sempre coisas boas, ou dramas, e todo mundo aqui em casa já estao acostumados de entrar no quarto e me ver pulando fazendo um círculo feito uma doida, pior é que até em outros comida da casa eu costumo fazer esse tipo de dança que já virou ritual pra mim, quero fazer medicina tambm mas só que nos últimos ntempos minhas notas baixaram muito pelo facto de eu não conseguir me concentrar, focar muito nos meus estudos pela ansiedade de pegar no fone de ouvido e ficar pulando e girando , e isso tem me afetado muito, porque eu já não conssigo ficar sem , to desesperada mesmo, e precisamente estava pesquisando sobre isso e deparei com quase o mesmo tipo de situação, a pergunta é, como parar?

  • Tenho 27 anos e desde os 10 eu vivo esse tipo de coisa, mas só agora vim ter a curiosidade de pesquisar e entender esse fenômeno. Nunca tive coragem de contar para a minha psicologa e nem para ninguém. Alguém sabe se isso tem algum nome?
    Então, a minha vida paralela não interfere na minha vida real…Eu vivo normal, mas quando estou sozinho os meus personagens parecem implorarem para entrar em cena.
    Eu já criei várias histórias (Novelas em minha cabeça), é como se fosse uma novela de televisão onde os personagens ganham vida e tem sua personalidade e historia de vida própria. São tantas que eu até ja esqueci de algumas, outras foram tão marcantes que guardo na minha memoria. Porém, existem outros personagens que não são de novelas, eles são geralmente celebridades, cantoras pop que fazem muito sucesso, gravam cds, clipes, fazem shows e tem uma vida com marido, família etc. Para integrar tudo isso eu criei uma rede de televisão em minha cabeça onde essas cantoras se apresentam e as novelas são transmitidas, nessa emissora tem mais personagens: apresentadores, jornalistas etc que trabalham em alguns programas também criados pela minha mente. Quando era moleque eu fazia tudo isso com os meus brinquedos e sempre achei que fosse algo de criança, mas hoje, aos 27 anos, eu parei de brincar e isso continua tudo na minha mente. Não é mesmo uma loucura? Já me questionei se sou doido, mas na vida real eu sou altamente equilibrado, tirando a ansiedade controlada por terapias, sou um cara normal como todos os outros, tenho amigos, saio, viajo, estudo, porém esses personagens, essa vida paralela, geralmente de tv fama e holofotes, que existe em minha cabeça me persegue e não sei até quando. Quando vi que existem mais pessoas com isso fiquei mais aliviado e acho que devemos nos juntar para tentar entender o que é isso na verdade, pois ainda não achei nenhuma explicação na internet.

  • Desde os 6 anos eu tenho uma novela imaginaria, hoje tenho 29 e continuo tendo.E agora vou contar agora para voces como é a minha duas novelas imaginarias.

    A Patricia tem 23 anos e branca tem cabelos pretos lisos e compridos,e magra.Criei essa personagem com as características idêntica a aquela atriz que morreu (Daniela Perez).A Patricia e apaixonada pelo Lucas.Lucas e de uma família rica tradicional de outro país.Ele e branco,cabelos pretos caído nos olhos ele é magro,charmoso, sensível,humilde e tem muita sabedoria de vida,ele é apaixonado pela Patricia os dois chegaram até namorar por 1ano,mais o namoro deles foi interrompido pela mãe do Lucas que sonha que o filho se case com a prima Cleina pq ela quer q a herança da família fique entre família mesmo.Mais eles se amam muito e o Lucas enfrenta a própria mãe pra ficar com a Patricia.

    A minha outra novela imaginaria e com a outra prima do Lucas que se chama Edi.Edi e uma moça muito sensível que faz de tudo para querer a atenção e o carinho do pai,ela é rica mora com a mãe e o pai só que o pai nunca gostou da Edi e sempre à rejeitou e quando a Edi ficou grávida ele espulsou ela de casa e ela foi morar na rua sofrendo muiito.
    Bom gente e isso essas são minhas duas novelas imaginarias não imagino a minha vida sem essas pessoas imaginaria, adoro essa vida imaginaria pq não me sinto sozinha e um refúgio para mim.
    Detalhe nunca falei isso pra ninguém é percebo tbm que a minha irmã mais nova também tem a mesma coisa,acho e que hereditário.

  • eu imagino as minhas histórias como animações. acho elas tão incríveis, queria que elas fossem reais. já tentei coloca-las no papel mas não sei desenhar.

  • Nao imaginava que teriam tantas Pessoas com esse problema. Tenho 31 anos de desde crianca converso sozinha, e tenho esses sonhos. Muitas vezes quando crianca conversava em voz alta e minha Mae me perguntava quem estava comigo. Hoje em dia nao converso em voz alta mais esses “sonhos” aumentaram e me sinto cansada muitas vezes

  • Antes de tudo obrigado a você e a cada uma das pessoas que postou um pouco de sua história aqui. Passo pelos mesmos problemas. Tenho 22 anos e isso começou desde a minha infancia. Lembro de estar na casa de minha tia, ainda criança, e parar no sofá para a minha “brincadeira de pensamento”, foi o nome que dei na época.
    Quando eu era mais novo, várias vezes meus amigos notavam que eu ficava rindo do nada ( não gargalhada, mas um sorriso).
    Eu imagino várias situações, felizes ou tristes ( a ponto de chorar de verdade, sendo que nada vida real sou um pouco insensível as coisas). As vezes é algo totalmente fantasia,com poderes e tals, e as vezes tem um estilo mais realista ( uma família, problemas ‘reais’ etc)
    São basicamente 3 personagens, um cara um tanto frágil, um outro mais masculino e uma garota. Esse primeiro cara seria “eu”, ele está sempre “ON”. Muitas vezes fico pensando e não sou eu, é ele.
    A medida eu que eu escrevo percebo o quanto isso é bizarro.
    Podem aparecer outros, mas na essencia são eles tres. Eles não tem nome fixo, e a aparencia não é de ninguem que eu conheça, mas eu consigo visualizar na minha mente. Se eu visse na rua eu reconheceria.
    eu sempre disse pra mim que esse seria o termômetro. Se eu perdesse o limite entre a realidade e fantasia, então eu teria um problema, mas quer saber? Isso já é um problema,

    Qualquer coisa serve de alimento para essas fantasias: uma conversa que escuto no trabalho, algo que li… Mas o maior gatilho é a ficção, coisas como Harry Potter, Crepusculo e… os animes. Durante a minha adolescencia todo eu assiti animes. Todos essas coisas que deixei entrar em minha mente me fizeram muito mal. Mesmo hoje, quando , graças a Deus, eu parei de ver essas coisas o meu ‘reportório’ ainda é muito grande. Tenho muito “material” na minha mente e já não preciso dos animes ou séries de TV.
    Eu ficava vendo, várias vezes, os mesmas aberturas e encerramentos de anime no Youtube e ficava sonhando.Fazia isso também com videos sobre jogos de video game como Tekken e King of Fighters. Eu não tenho video game mas ficava vendo esses vídeos sobre os enredo e as aberturas de jogos., varias vezes e ficava sonhando acordado, misturando meus personagens nesse mundo.

    Algumas pessoas aqui disseram que isso é bom, que gostam e tals, mas você já tentou parar? Pode parecer bom, mas é uma armadilha. Rouba sua vida.

    Cada pessoa tem sua luta e é essa é a nossa.
    Uma dica : não caia nessa de “vai passar quando eu ficar mais velho”. Comece a combater isso agora.
    Obrigado, desculpe pelo texto longo. Vou tentar colocar essa dica que falei em prática. Agora eu não acredito que vamos conseguir sair dessa sem ajuda de Deus. E também não é do dia pra noite.
    Uma outra dica é tentar se ocupar, eu fico fantasiando principalmente no onibus ou no banho, ou seja, quando nao tem nada pra fazer. Peçam ajuda a Deus, que é poderoso pra nos tirar dessa lama.

    Tenho duas grandes lutas, esses pe

  • Eu tbm passo pela mesma coisa. Fui diagnosticada com TOC -Transtorno Obsessivo Compulsivo. A psicóloga disse que é por causa do TOC que vivo num mundo dos sonhos…Você deve ir atrás de um psicólogo assim como eu. Voce pesquise sobre TOC.

  • Eu tbm passo por isso fico horas imaginando,sou timida e nos meus pensamentos sou bonita,popular,tslentosa,falo.tudo o que penso,sou descolada,todos gostam de mim…ou quando assisto um filme ,depois me imagino no lugar do protagonista vivemdo.aquilo;passo bastante tempo fantasiando histórias diferentes

  • Acontece o mesmo comigo, tenho um “portal” pra entrar em meu mundo, escutar música e me embalar em uma rede(que uso com esse único propósito) , em meu mundo sou homem, mulher, criança, pai, mãe, irmã, irmão enfim… tudo… e faço todos esses “personagens” simultaneamente, mas sempre tem um principal em minhas histórias, o centro das atenções, e a maioria desses personagens são pessoas famosas, e com vidas aparentemente “perfeitas”, outros eu mesmo criei, ou são pessoas com as quais eu convivo, tenho total controle sobre isso e não atrapalha minha vida real, mas algo que me machuca é que eu sempre imagino que isso é mesmo real, que essas pessoas estão convivendo comigo, e eu sou viciada em entrar nos perfis do Instagram/Facebook dessas pessoas e olhar suas fotos… e ao ver que eles n tem ideia do que está acontecendo no “meu mundo” me deixa triste, ao ver que aquela pessoa que no “meu mundo” estou em algum relacionamento, tem um parceiro na vida real,tem filhos que tem a oportunidade de conviver de perto com eles, me incomoda e magoa, tenho 19 anos e isso n me atrapalha, na verdade me ajuda em certas situações, só acontece de às vezes eu ter esse leve sofrimento por n conhecer de verdade os meus personagens, n acho que isso seja normal, mas por enquanto ainda n quero parar, talvez quando eu alcançar minhas metas e objetivos de vida eu pare. Me identifiquei muito, com muitos aqui, é a primeira vez que falo disso na net, e me aliviou, pois já tentei falar com pessoas do meu convívio e amigos, mas n encrontrei ninguém que me entendesse, então logo parava o meu relato.

  • Eu achava que era a única que sofria com isso ! Faço exatamente tudo que você disse e isso se repete todos os dias . Tudo começou quando eu tinha 9 anos, tinha problemas em casa, meu pai bebia… Acho que criar esse mundo foi o meio mais seguro que achei pra não me sentir mal com toda a situação que acontecia…Achei que essa “fase” passaria, hoje tenho 21 anos e não consigo para de viver esses “sonhos”.

  • Nunca pensei que teria tantas pessoas passando por isso. Tenho 25 e sofro disso desde a adolescência, por ser tímida imaginava as coisas que queria que acontecessem comigo, me imaginava poderosa e confiante, coisa que eu não era. Hoje eu tenho mais confiança em mim e já realizei muitos sonhos meus, faço tudo normalmente esses devaneios não me atrapalham tanto, trabalho, faço faculdade, namoro e tenho poucos amigos. Quando me sobra tempo ai que começa esses sonhos, penso as vezes em escreve-los mas até hoje não tive coragem, quando conheço algum homem que me chama atenção ele vai para meu sonho, isso que me deixa mal, por achar que estou traindo meu namorado. Para dormir tenho sempre que inventar histórias, pois não consigo dormir sem pensar em nada, essas histórias sempre são românticas. Espero viver mais a realidade, fazer destes sonhos minha realidade!

  • Minha nossa!
    Achei por acaso essa postagem, estava procurando algo que me ajudasse a ter menos medo, (morro de medo de filmes de terror ou de histórias que pelo menos tenha algo do tipo) eu tenho praticamente o mesmo “problema” é que até então eu não vejo que isso seja uma coisa”ruim”. Tenho 16 anos e desde criança eu crio histórias na minha mente, antes eram histórias pequenas e tals, mas agora eu imagino até o último detalhe! Isso acontece principalmente após eu ler um livro (praticamente todos os dias), assistir um filme, ver vídeos na internet, qualquer coisa que eu faço vira motivo para que eu crie uma nova história, histórias que duram horas! As vezes isso me preocupa, eu acabo vivendo muito mais em “sonhos” do que na vida real, ao contrário de você e de alguns comentários que li, eu realmente amo me sentir dentro desse outro mundo onde eu me imagino, eu sinto como se pudesse fazer tudo o que quero. Na minha vida real eu não sou tão sociável como nos sonhos, tenho poucos amigos (amigos realmente incríveis) mas, as vezes é como se eu quisesse ter pelo menos um pouco da coragem que tenho na minha”outra vida” e realmente viver lá nem que fosse por um mínimo minuto 😞. Bom acho que meu caso é ainda pior, porque qualquer coisa vira motivo para dar origem a uma nova história (qualquer coisa mesmo!) e com isso eu acabo me trancando no quarto e preferindo minhas histórias do que minha vida real, eu tenho medo de viver só de sonhos, entende? Tipo ficar solitária, preferir as histórias (é bem provável que isso aconteça). Eu nunca havia falado sobre isso com ninguém e, descobrir que outras pessoas passam por situações parecidas é libertador ! kkk pois as vezes acho que estou ficando louca. Uma outra coisa é que eu imagino muito um cara perfeito, ( sou fã de romances intensos, proibidos, romances fortes, adoro livros desse tipo) me imagino em histórias com a pessoa perfeita e tals mas, eu sei que na vida isso não existe mesmo, e qualquer garoto que tenta se aproximar eu logo me afasto. Será que isso é uma coisa ruim? Enfim… Ainda tem muita coisa que acontece comigo e é relacionado aos “sonhos”, quem sabe eu comento novamente sobre. Ahh simmm! Já ia esquecendo, escrever as histórias tem me ajudado muito, vai que ajuda alguém também (sei lá ) Eu me sinto especial quando crio minhas histórias, não levem isso a mal, pelo menos tentem aproveitar o momento, mesmo sabendo que depois tudo voltará ao normal (isso é um pouco decepcionante) mas minha dica é essa, pode não ser por acaso que isso aconteça.
    Obrigada mesmo!

  • Isso tem me feito muito mal… Pretendo fazer um vídeo no canal da minha amiga para falar sobre o tema, pois muitas pessoas, no Brasi, não sabem o que é isso , ainda que sofram. Mas me sinto um pouco insegura em me expor. Gostaria do apoio de vocês, nem que seja para um incentivo do tipo: “faça mesmo, precisamos falar mais sobre isso”. Estou tomando coragem.
    Esse é um assunto que tem que ser discutido, as pessoas precisam saber.

  • O que você pode ter é maladaptive daydreaming. Devaneios excessivos. Eu também tenho.

  • Eu vim no Google procurar mais sobre o assunto pois eu tendo esse “problema”, na verdade sempre tive mas quando eu era mais nova para mim era normal afinal. Eu imaginava minhas histórias e meu mundo mas eu era uma adolescente. Acontece que estou com 21 anos e isso voltou a tona. Eu faço faculdade mas esse semestre tive muita pouca matéria e isso me deu um tempo livre desgraçado. Então eu comecei a fazer uma coisa que há muito não fazia: escrever fanfic. Criei uma história em cima do universo de Harry Potter, até aí tudo bem. O problema é que agora estou idealizando e pensando na história mais do que deveria. As vezes até deixo de sair para conseguir escrever mais minha fanfic, eu deito para dormir e fico criando mil coisas para acrescentar na história e até coisas paralelas a isso. Eu imagino como meus personagens reagiriam as coisas que acontece comigo na realidade! Eu não sei o quanto isso é normal ou não. Eu tenho uma vida relativamente saudável. Tenho amigos, meu relacionamento com minha família é bom, eu tenho algumas frustrações com meu curso na faculdade mas me dedico para conseguir ir bem, a única coisa é que minha vida amorosa hoje em dia é inexistente por conta de algumas inseguranças. Eu li todos os relatos aqui nos comentários e sofremos de sintomas muito parecidos, eu já estava pensando que era só eu mas não, somos muito. Mas o pior é que existe 0 informações sobre isso! Procurei grupos, blogs etc mas tudo está desatualizado, e nesse momento tudo o que eu queria era conversar com alguem que passe pelo mesmo problema que eu. Se alguém leu isso e também quer trocar uma ideia pfvr me avisa,comenta ai, podemosfazer um grupo no face, no wpp, qualquer coisa para trocarmos experiências e nos sentirmos menos sozinhos!

  • Cara, eu me identifiquei muito com isso… Agora mesmo eu estava procurando sobre, não acho que é normal e mesmo se for eu quero parar com isso (também faço), sei lá eu tenho medo de se tornar um transtorno psíquico… Tenho 17 anos e nem me lembro quando foi a primeira vez que fiz isso! Sei que comecei me imaginando dentro do mundo de Harry Potter e até então eu achava normal porque eu era bem novinha ainda… Mas isso continua, eu coloco música alta, me tranco no meu quarto e imagino ser uma atriz muito famosa que eu inventei e que ela socializa com alguns famosos que eu conheço. Imagino que ela é bem talentosa e tem mais de um talento só que é mais apaixonada pela dança e é super influente e conehcida, e tals… Ou seja, eu imagino CADA DETALHE. Eu tentei parar, mas nunca dura mais que dois dias. A todo momento estou ciente de quem sou e isso não influencia na minha vida, e tudo o que vejo precisa ser acrescentado ao meu mundo imaginário. Gosto de fazer isso, isso me tranquiliza, me acalma, mas tenho medo que se torne “loucura” entende? Bom, sei que não vai te ajudar, mas gostaria de dizer isso porque me identifiquei muito com seu relato.

  • Bom dia, tudo bem com você?
    Eu estou passando por essa crise. Criei meu mundo imaginário quando tinha 9 anos, mas por ser criança achava que era normal. Dez anos se passaram e ainda continuo, mas pior. Esses pensamentos esta me causando ansiedade e com isso meu sistema nervoso fica alterado fazendo com que minha atenção se disperse.
    Não imaginava que teria pessoas com essas causas. Gostaria de saber se teu comportamento ou melhor seus pensamentos mudaram, já que você postou em 2014.
    Peço perdão pelo erros ortográficos kkkkk
    Mas preciso de ajuda!!

  • MEU! Me identifiquei muito com vc, eu faço tudo igual não muda nada. Tenho 15 anos e isso ta me atrapalhando muito principalmente nos estudos. Na escola eu simplesmente esqueço da aula e imagino aquele momento mas completamente diferente. Muitas pessoas já me pegou sorrindo pelos cantos sozinha ou até mesmo conversando, eu só quero parar com isso! Acabei me excluindo para ficar no meu mundo mas eu não quero mais isso… Quero fazer amizades, quero interagir com as pessoas

  • Olá, meu nome é Henrique e tenho 18 anos, também passo por algo parecido, porém eu não ouço música (não tenho tanta influência para isso, gosto mais de filmes, séries etc…). Costumo criar mundos e histórias na minha cabeça repentinamente e as vezes também crio o mundo de outras pessoas sempre que leio oque elas dizem como o seu comentário, em meus mundos eu sempre imagino uma namorada que não é descolada mas se parece um pouco com meus estilo, também imagino alguns amigos e sou o centro das atenções, mas na maioria das vezes são histórias de aventura, sem muitas pessoas. Diferente de você eu crio estes mundos com pessoas que eu nunca vi ou que não me lembro de ter visto como se minha mente selecionasse automaticamente estas coisas, já as histórias e mundos algumas vezes aparecer do nada só de ver algo ou as vezes eu mesmo crio para passar o tempo, ou na hora de dormir.
    Diferente de você eu gosto disso, tenho desde criança e acho que já nasci assim. Na minha infância isso não me afetou, sempre tive muitos amigos, era um pouco tímido mas não tanto. Porém na adolescência me transformei um pouco começando a ficar mais fechado e pensativo, não me associando muito bem e gostando mais de ficar em casa ao invés de sair, não sei se esta relacionado a isto ou as mudanças repentinas na minha vida mas estou assim até hoje.
    Algo que notei é que estes sonhos só apareciam quando eu estava parado e começava a pensar, debaixo do chuveiro, em momentos calmos sem conversa, ou quando me contavam algo que se parecesse com uma história. Se você quer mesmo parar com isso você deve ocupar sua mente, fazer algumas atividades que goste, tais como jogos, cinema, etc… No meu caso isso não costumava ocorrer quando eu soltava pipa, jogava futebol ou jogos de computador e vídeo game.
    Quanto a questão que você sempre quis ter um namorado etc… eu também era assim, alguns colegas ficavam falando para mim, mas eu acho que a momentos certos para todas as coisas. Não estou dizendo para você não procurar ou etc.. Mas aconselho você esperar até aparecer uma pessoa que você goste não só da aparência mas também do jeito dela.

    Acabei achando isso pelo acaso e foi bom saber que bastante gente tem isso kkk, espero ter ajudado. :)

  • Meu deus, eu faço exatamente o que você faz, é tudo igual.. Eu queria realmente parar com isso, mas não consigo, eu acho isso um absurdo, e acho q eu estou doida, faço isso desde quando tinha uns 9, 10 anos, hoje eu tenho 15. Eu acho isso muito louco ? até que isso me ajuda muito, quando estou tendo dificuldades em alguma coisa, ou quando alguém não me ajuda, eu faço isso pra tentar me ajudar, até que eu gosto mas, eu fico sozinha pelos cantos pra fazer isso, eu não falo mt com as pessoas, e agr estou tendo dificuldades para falar, agr estou fazendo um tratamento.. Não sei se foi por causa disso aí, mas eu queria realmente parar, e queria saber como… Eu até pensei que; eu seria uma escritora, pq eu tenho uma mente muito aberta, sei realmente criar uma história, até q isso faz sentido, pensei em escrever tudo oq eu ‘sonho’ mas é mt coisa, eu fico modificando coisas que eu não gosto e volto do começo pra fazer uma coisa que eu gosto mas.. Enfim… Queria contas mais coisas mas não da

  • Também sofro disso, é algo até pior comigo, é reconfortante saber que outras pessoas tem algo parecido, comigo eu também escuto músicas, só que de todos os ritmos, depende muito do que eu quero imaginar, consigo controlar e fazer só quando eu estou sozinha no meu quarto, mas é algo que se pode conviver com. obs: tenho 19 anos de idade, tenho namorado, amigos, e faço faculdade.

  • Eu tenho 15 anos e ”sofro” disso, não é bem uma coisa ruim, eu sempre me imagino namorando mulheres bonitas, me imagino sendo jogador rico e famoso e tendo amigos famosos, isso nunca foi um problema pra mim sempre foi mais uma forma de passar o tédio, sempre soube diferenciar da realidade ao imaginário, as vezes me pego ouvindo uma música agitada e penso ”tenho que viver essa música” nunca falei pra nenhum parente ou familiar por achar que era uma coisa ”minha”, as vezes eu acho que é só minha mente imaginando o que eu quero para o futuro, sempre me senti um pouco estranho dos outros por fazer isso, nunca chorei ou sofri por isso, eu sempre fiz nos momentos de tédio e só… eu vivia minha vida normalmente como se nada tivesse acontecido, é bom saber que outras pessoas fazem o mesmo e não são poucas, não creio que isso atrapalhará o meu futuro só acho um pouco ( ou muito, bastante na verdade ) as vezes eu me pegar nesses sonhos ”beijando” namoradas quando na verdade é só minha mão ou meu travesseiro rsrsrs… mas enfim é claro ( eu espero ao menos ) que quando eu tiver uma vida social além da escola e tudo mais, eu devo parar com isso, pois eu só faço nos momentos de tédio pois nunca me prejudicou em algo, sempre foi um ”passatempo”, enfim não sou o único e não tenho ”medo” disso me atrapalhar, fui pesquisar para saber se era só eu e minha conclusão foi : Não, é mais ”comum” do que parece.

  • Olá.
    Tenho 29 anos e também passo por isso. Atualmente estudo psicologia e já conversamos sobre isso na sala de aula. De acordo com uma professora (ela é psicanalista), imaginar é bom, mas viver nesse mundo de sonho não é normal. Isso é fugir da realidade.
    Se isso esta te trazendo um sofrimento deve procurar ajuda. Você é jovem e vai acabar sendo uma adulta frustrada. Pois idealiza algo que não é e não tem.
    Aconselho procurar um psicólogo. Se possível psicanalista. Pois isso é algo do nosso inconsciente.
    Isso já afetou minha vida. Especialmente no profissional. No meu mundo imaginário a vida é fácil e super feliz, mas a realidade é outra.

  • Olá. …. Eu simplesmente tomei um choque quando descobri esse post derrepente me enxerguei ali naquelas palavras. .. E logo eu que nunca consegui entender os devaneios e achava que isso apenas acontecia comigo. .. Mas vamos a minha história hoje tenho 30 e a 18 anos que vivo nesse tormento de devanear. . Comecei em 1998 foi uma fase de transição na minha vida .. come couro de uma maneira sutil. . Derrepente eu estava viciada em devaneiar. . Por inúmeras vezes me peguei criando situações aonde eu pudesse viajar nos meus pensamentos. . E ao longo da minha vida todas as situações ..paqueras. . Se encaixavam nos meus sonhos. .. quantas vezes ficava na expectativa daunha mae sair de casa para eu ligar o som e correr pular vivenciar os meus pensamentos. . Ficar com celular imaginando está falando com outra pessoa gesticulando. .. enfim trago marcas terríveis desses 18 anos acabei me tornando uma pessoas insegura. .insatisfeita depressiva. . Com a auto estima lá em baixo nos meus sonhos sou perfeita magra linda .. O centro das atenções. .. Quero me libertar disso mais não sei o que fazer. ..

  • Ola Tenho 17 anos ,também sofro por isso achei que por um lado eu era a unica. Nen me lembro quando começou esses ´´sonhos´´ .
    Sei que ficou mas frequente em 2014 quando estava fazendo pre técnico(cursinho)para o ensino médio,fica me imaginado na escola já com amigos namora e outras coisas.
    Com o tempo vem fincando mas frequente agora eu já começo ´´sonhar´´ com namorado,casa,imagino ate que já tenho filho com meu crus e sou casa com ele.
    Não sei se no meu ponto de vista esta certo,mas acho que imagino esses ´´sonhos´´ por que queremos que ele seja real.Asim imaginamos,exemplo: eu costumo imaginar que tenho namorado, as vezes imagino ate as brigas,isso e um desejo meu ter um namorado(estou sou teira nesse momento ).costumo ter essa imaginação quando estou sozinha e meio deprimida.
    Foi bom compartilha isso.

  • Me sinto do mesmo jeito pois nesse meu “sonho” eu simplesmente sou uma menina com um namorado uma melhor amiga (vários amigos) me dou bem com todos ao meu redor me sinto inteligente se nesse “sonho” e triste eu fico triste se é alegre eu fico alegre,mas eu sei que isso é fora da realidade.Eu não sei o que há comigo pois acho que estou ficando doida falo mentiras pra pessoas gosto de quando a pessoa se importa comigo não tenho amigos as vezes invejo que eu tenho amigas mas na readaptação na ao tenho (choro em relação a isso) quando mais nova não tinha amigos as pessoas desfaziam de mim e até hoje não sei por que? sempre invejei aquelas pessoas que tem uma vida boa com amigos namorado famílias perfeitas (as vezes acho que estou em depressao)já me cortei muitas vezes(hoje em dia me arrependo) bem choro muitas noite por falta dessas realidade sei que não tenho amigos e isso é o que massa me deixa indignada pois faço de tudo para as pessoas me aceitarem mas acho que isso só fazem elas se afastarem de mim! :(((((

  • Realmente não sabia que tanta gente tinha/tem esse problema, eu tenho 20 anos e comecei com isso aos 11 anos. Já havia feito uma pesquisa sobre isso alguns anos atrás mas nao tinha dado em nada, agora fiz novamente e encontrei isso estou bem surpresa e aliviada porque não sou a única. Assim como a maioria nunca contei a minha mãe. Minha vida não é uma merda completa, mas esse “escape” os “sonhos” é um vício horrível, tranco meu quarto e começo a andar por ali ouvindo musica, as vezes me pego chorando ou fazendo a mesma expressão que no “sonho” , quando eu to no ônibus e começo a imaginar tento me controlar pra não fazer cara de palerma convenhamos que isso seria bizarro pras pessoas ao redor. Eu consigo também diferenciar a realidade dos “sonhos”, gente normal isso não é, mas tem alguém que conseguiu parar com isso?
    Se uma pessoa passar anos fazendo isso, haverá alguma consequência psicológica?

    • Eu também tenho 21 anos mais no meu caso começou desde os 12 ou menos,minha família passava por dificuldades financeiras.. E as vezes não podíamos ver televisão mais pra economizar energia,então eu puxava minha irmã mais nova pedia pra ela fechar os olhos junto comigo e imagina que ela estivesse no lugar dos sonhos dela,ela pegava no sono rapidamente mais eu passava a noite imaginando que tinha coisas que eu nunca tive,de brinquedos até mesmo amizades,casa e etc.
      Eu também gostaria de saber como parar,também sofro com ansiedade e também não consigo ler nada sem perder o foco. Tenho certeza que se eu me livrasse disso a minha realidade atual seria diferente.

  • tenho 16 anos, como todos aqui eu pensei q fosse a única, eu gosto dos meus sonhos, mas não acho que eles sejam saudáveis, as vezes eu só queria q esse (meu mundo) fosse real, é tudo o que eu queria, só não gosto de ficar tanto tempo nele, as vezes escuto música e choro, mas isso me faz bem, não conto isso a ninguém nem mesmo para um parente nem a minha mãe pois eu já sei o que vou ouvir, (é apenas uma fase você é só uma adolescente).

  • Tenho 13 anos e comecei com isso aos 10. Eu sempre fui muito anti social, sempre tive poucos amigos na escola, comecei a perceber que as pessoas a minha volta meio que me enganavam e me usavam isso me machucou muito, chorava toda a noite, minha mãe sempre trabalhou muito e não tinha tempo para mim e acabava não percebendo a merda que estava acontecendo, minha família sempre cobrou muito de mim muito mais do que poderia dar. Foi então que comecei a me imaginar sendo outra pessoa, em outra vida, só que começou a piorar a cada dia pois sentia necessidade de fazer isso cada vez mais, na escola eu esquecia da aula e fingia está em uma nova situação. Isso é estranho. Atualmente eu me imagino em mundos diferentes, sendo isso e aquilo. Quando acontece algo triste na história eu choro e quando é feliz eu dou risada SOZINHA. Sem motivo nenhum. Minha mãe já me pegou muitas vezes fazendo coisas sem sentido e eu sempre disfarço pois tenho medo de que ela e minha família me achem estranha e já não sou a favorita (Isso é uma realidade bem distante), e acabem de excluindo ainda mais deles ou me levem para uma clínica, sei lá.
    Quero conversar com alguém, muitos aqui tem os mesmos problemas que eu, talvez consigamos passar por isso juntos!

  • Minha querida, acho que todos passam por isso, embora não admitem.
    O que posso lhe dizer é que todos nós também temos ambições com certeza deve ter algo que deseje muito, pegue isso é seja corajosa para realizá-lo.
    Você tem qualidades, uma delas é sua sinceridade consigo mesma. ( por isso publicou algo tão íntimo).
    Não deixe que as pessoas lhe definem. Faça o que você julgar primeiramente, ser o certo. Viva, apenas viva sabendo que se satisfaz consigo mesma. Acredite em si e as pessoas verão aquela menina inteligente que só passou algum tempo se escondendo nas sombras.
    Não esconda suas qualidades, porque as pessoas só lhe mostraram seus defeitos. Molde o que você não gosta em você, mude por você e não pelas pessoas. Se fizer isso, você verá o mundo de outro jeito, de um jeito bom.
    O Universo é um lugar bom e é você que atrai para si essa energia.

  • Sinceramente, me identifiquei com você. Tenho cinco amigos “nesse mundo”. Mas as vezes imagino seres surreais. Tentei me convencer que seja por causa da história Alice no País das maravilhas que eu adoro. Mas depois percebi que isso sempre esteve comigo.
    Estudei quatro anos no colégio militar e só sai porque me mudei e as pessoas (os alunos) me himilhavam o tempo todo.
    Mina família me considera Nerd, mas me sinto a menina mais idiota de quinze anos que existe no mundo. Meus parentes querem que eu cometa um erro na vida e a perspectiva do vestibular me aprisiona. Acho que eu tenho um grande medo de sair da minha zona de conforto, tenho medo de ter perspectivas altas e acabar me decepcionando. Esses amigos imaginários que eu tenho, eles não vão embora, preciso deles. Sinto que eles fazem parte da minha personalidade, é meu segredo mais secreto, meus conselheiros. Admito que as vezes eles são meus fantasmas, eles me provocam a mudar, a não ter medo do mundo, eles me dão asas, por isso não acredito que seja algo ruim pra mim.
    Fantasio desde criança e esses “personagens” cresceram comigo. Se sou louca, eu não sei. Mas eles me permitem guardar minha essência infantil, não me sinto só.
    Sou o tipo de menina que mesmo ao redor de muita gente se sente um peixe fora d’agua. Quero guardar esse riso de ontem dentro de mim, não quero me esquecer deles. É como se esses personagens enxergassem minha alma e colocassem em palavras aquilo que eu nunca disse na vida, mas pensei.
    Acho que se todos aqui estão loucos por serem diferentes, então eu sou também.
    ” Conhece – te a ti mesmo!” – Sócrates.

  • Como consigo ter uma perspectiva de vida?

    Não tenho vontade de me formar, não quero amigos, não tenho sonhos, não quero bens materiais, não namorar, não casar, não quero nada. Não sei qual é o meu problema. Todos da minha idade querem ter algum futuro bom e eu não estou nem aí. Nada me deixa feliz.

    larguei a faculdade e agora só fico trancada no quarto.

    =( alguém me ajuda… não quero viver assim.

    • Julinha, espero que esteja melhor, não sei como você ainda está, vejo que faz pouco tempo que você publicou, mas se quiser conversar, se eu puder te ajudar de alguma forma pode falar, só senti vontade de dizer que estou disponível pra te ajudar!!
      Espero que você veja essa mensagem.
      Se cuida, bjs.

  • Meu Deus, vc resumiu a minha vida! Tenho 14 anos, e desde criança eu penso nisso, danço com o meu mundo, só q a minha mãe não acha q eu sou louco, mas na minha cabeça acho q estou meio depressivo de não sair para lugar algum com os meus colegas, acho q ela está sendo “super-protetora” eu choro do nada com o meu mundo, e acho q isso está acontecendo no mundo real! Só que nesse “Meu Mundo” não sou eu que participo, é uma menina de 15 anos descolada, popular e linda! Tudo oq eu queria era descobrir oq eu tenho, eu quero saber se eu estou realmente louco! A pouco tempo esse “Meu Mundo” está evoluindo, primeiro, era apenas uma pequena imaginação infantil, segundo, isso esta no mundo real, terceiro, eu estou vendo todos os personagens que eu inventei, ou, é famoso ou eu conheçi!

    • Eu tambem sou assim, e o pior é que isso prejudica o mundo real, queria muito me livrar mas ô mundinho viu! Mas pra falar a vdd , é melhor que o mundo real msm que pareça, aliás , seja louco , bom, quem quiser debater mais sobre o assunto me add no face

  • Sou exatamente igual a você *** tenho 17 anos, as vezes eu me imagino as pessoas da minha sala me chamando pra sair, me chamando pelo meu nome. Já tive um ataque de pânico em 2015, e atualmente eu não estou nem aguentando ir pra escola eu estou odiando ficar rodeado por pessoas eu me sinto extremamente mal é uma sensação muito ruim. Também tenho essa preocupação a cerca do futuro, e quanto essas sensações eu futuramente pretendo procurar um psicólogo, pois eu sinto que a cada dia eu estou piorando e isso é atormentador.

    • Estou assustada
      Meu coracao ta palpitando forte e to tendo uma crise de ansiedade
      Putz!!eu nao sabia que tinha tanta gente como eu…tenho meu mundo imaginario a muitos anos
      Tenho um pai e sete irmaos temos boa casa e sou o centro das atencoes
      Vou parar pq me assustei😱

      • Li todos os comentários mas ainda estou preocupada pois nenhum de vcs disseram q falqm sozinhos, pois eu falo.. eu fico meio que “encenando” essa vida imaginária durante meu cotidiano, diversas vezes ja me pegaram falando sozinha, tenho medo de ficar louca sei la

        • Relaxa, você não é a única.

        • Meu Deus! Eu tb enceno. Estudo de manha e geralmente a tarde quando minha mãe sai para trabalhar eu começo a imaginar mas é pior pq como eu disse: enceno, ando pela casa, bato com o ombro nas paredes e fingo falar as vezes ando na ponta dos pés como se estivesse de salto e tudo isso sempre ouvindo musica. Nunca fui muito introvertida principalmente pq tenho uma deficiencia, então por medo de me regeitarem eu me autoexclui e esse mundinho foi minha salvação, é minha salvação, tenho medo de me perder da realidade e viver no meu mundo mas no fundo eu sei q gostaria disso, quero parar mas ainda n estou pronta pra me livrar dele.