O maior erro da minha vida

Escrevi um livro erótico . Sendo uma pessoa muito reservada e distante, só o facto de o escrever criou uma espécie de polêmica entre os colegas. Aquilo levou-me a um estado de paranoia (com os boatos vindos de fora), mania da perseguição que cheguei a um ponto de não querer sair de casa…
Partilhei a minha história de vida (principalmente traumas de infância que envolvem exclusão racial, incesto e abuso sexual) com muita gente, de chegar a um ponto de abalar com a minha família… Apanhei, depressão. Quis suicidar.
Produzi um trabalho bastante filosófico, o meu erro foi publicá-lo online e nem muitos perceberam o conceito. Penso que só o facto de tê-lo exposto, demonstrou um pouco da minha “demência”.
Tive um esgotamento. Perdi a noção da realidade durante um mês.
Fui humilhada por um professor…
Perdi todas as chances de ter algo com o rapaz de que estava a gostar…

HOJE:

Sinto-me horrível, nojenta por ter partilhado demais.
Por ter confiado em pessoas. Por importar demais com os comentários.
Por ter rastejado demais por perdão de quem não merecia. Por ter chorado demais.
Por não ter metido um ponto final e mudar de direcção no tempo certo.
Sinto um nojo enorme por perceber que as longas amizades também acabam.
Por saber que ninguém guarda segredos.
Por ter acreditado numa vidente. Por sentir tão baixa e humilhada, ao ponto de querer entregar a alma ao diabo e seguir uma vida de prostituta.
Uma raiva enorme de querer matar pessoas, para viver no nada.
Por sentir porca, traidora, hipócrita, suja, desrespeitada, palerma, infantil, vazia e boca larga!
Por falar com as pessoas, e elas, virarem a cara com desprezo ou fazerem comentário dos meus erros… ou me recorrerem como se fosse “moleta”/ 2ª opção.
Por ter perdido todas as oportunidades para a vida profissional, sendo ainda jovem estudante, sem contactos para promoção.
Por saber que vivia uma vida dupla e agora toda gente sabe de mim, comenta, me vê como diário aberto.
Por ter cadastro numa faculdade. Por não ter a quem recorrer, e desabafar via online.
Com um ódio enorme matar as pessoas a quem recorrer para pedir ajuda.
Por ter sido colocada de parte.
Por querer recomeçar tudo do zero e não saber como.
Sinto-me uma merda enorme, mais daqueles jovens que veio fazer parte deste mundo, não para fazer mudança mas sim, acrescentar entulho neste mundo.

Esta citação reflecte um pouco o meu momento:

“Quero morrer porque se eu falar alguma coisa para o meu irmão, ele não vai me entender e nem vai tentar me ajudar. Quero morrer porque sou uma pessoa que não consegue passar um dia sem pensar nessas dores. Quero morrer porque prefiro me trancar no quarto e sonhar com um vida da minha do que fazer alguma coisa para mudá-la. (…) Quero morrer porque sou infeliz e sei que nunca vou esquecer. Quero morrer porque eu quero mudar a minha vida e não consigo.”

 

Reportar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *