Meu primeiro troca-troca

Sei que vai parecer perversão o que irei contar mas eu sinto que devo.
Bom não é pra ser algo erótico e sim um desabafo ..não sei ao certo porque estou contando nesse site mas conto com a compreensão de todos.
fui um garoto desde os 6 anos de idade extremamente diferente, não pense que eu era aquele tipo que pensa ou faz coisas incomuns pra minha idade boa parte se devia por muitas coisas que aconteciam na minha vida familiar, “morte da minha mãe e meu pai casando de novo”
até ai já foram muitas mudanças repentinas.
minha madrasta era muito má e batia constantemente em mim e nas minhas irmãs, me arrependo só de lembrar que eu queria ir junto pro trabalho do meu pai e deixava minhas irmãs mais velhas com aquela mulher malvada..hoje em dia superamos essa parte de nossa infância.
meu pai tinha uma oficina grande carros onde se fazia de tudo, pintura lanternagem e tudo mais, vários homens e garotos trabalhavam para ele, eu ia sempre com ele e aproveitava pra ficar brincando, coisa que lá em casa minha madrasta não deixava..eu mexia em tudo mesmo..
certa vez cansado de tanto brincar, fui ver o lanterneiro “ele tinha uns 25 ou 30 anos” soldando uma placa de aço, eu admirava o fogo azul forte que saia do maçarico era muito legal aos olhos de uma criança, ele abaixado soldando e eu abaixei a sua frente pra olhar o fogo quando de repente noto algo que não sei explicar de jeito nenhum por que me chamou tanta atenção, o lanterneiro tinha um rasgado na bermuda jeans dele e mostrava algo arredondado e volumoso na cueca azul /bege, ..eu era só um menino de 6 anos nada de pervertido me passava na cabeça somente fiquei curioso naquela coisa, lembro que eu era um menino normal ate certos pontos de vista, na oficina sempre tinha pôsteres de mulheres peladas coisa comum em oficinas..
uma vez eu pequei um poster que tinha meu tamanho e quando estava sozinho comecei a esfregar meu pintinho duro na parte sexual da mulher
nesse mesmo mês o filho do pintor de carros começou a ir com ele lá pra oficina “ele tinha uns 7 anos” um ano a menos que eu.
certa vez eu ele e um vizinho das redondezas da oficina brincamos de correr e pular muros e outras coisas de meninos, eu me cansei exausto e fui pro galpão onde tinha um banco grande de caminhonete e fiquei de peito pra baixo deitado..
fingindo estar dormindo eu ouvia eles dois conversando da porta algo como “vai lá eu fico olhando”
o filho do pintor abaixou um pouco meu short “nessa época eu dificilmente usava cueca, ele abaixou o short dele e começou uma espécie de tentativa de sexo, eu de peito pra baixo fingindo estar dormindo não entendia nada e era estranho aquilo, nunca soube nada a respeito desse tipo de brincadeira, ele tentava me penetrar mas somente roçava em mim, aquilo era diferente, não bom, somente diferente. minha cabeça estava com um milhão de perguntas e ninguém pra responder, por que meninos daquela idade faziam isso? pq achei que foi legal? eu era apenas uma criança de 6 anos, sabia que era errado e achei algo super estranho de tudo que já brincamos.
logo ele parou, e eu fiquei alguns minutos ainda me recuperando daquela surpresa enquanto eles estavam jogando bolinha de gude ali próximo da porta.
o vizinho mudou de cidade alguns dias depois e o filho do pintor continuava indo na oficina como se nada tivesse acontecido, devido eu ter continuado deitado parecendo estar dormindo mesmo, certa vez horário de almoço todos foram pras suas casas e eu fiquei sozinho lá na oficina com o garoto, me deitei em um carro grande que era bem macio e logo ele foi lá comigo e deitou por cima de minhas costas, dessa vez ele viu que eu estava acordado simplesmente abaixou meu short e o dele também e começou a esfregar de novo em mim.
eu me fazia estátua, ficava imóvel, como se nada estivesse acontecendo somente paralisava, nesse momento
isso aconteceu mais uma vez, praticamente do mesmo jeito e nas mesma circunstâncias, ele parou de ir na oficina e não aconteceu mais nada desse tipo por algum tempo mas minha vida começou a rodar pra um sentido contrario do que deveria, eu não tinha interesse em meninos nem em meninas, eu agia normalmente em casa na oficina e na escola.
aos 8 anos quando estava na escola um menino que era meu colega de classe gostava de mim, só que ele gostava de um modo diferente, uma vez ele colocou uma carta na minha carteira dizendo que queria namorar comigo. Namorar???eu nem sabia o que isso significava eu amassei logo aquilo e joguei fora.
no horário do recreio ele chegou mais perto de mim e disse no meu ouvido que me amava.
meu Deus o que ele ta falando??
eu conhecia amor de nome somente pela televisão mas eu era tão inocente que nem sabia o que era, minha vida se conturbava de uma maneira que ficava difícil não me emocionar só de lembrar disso,
nessa mesma classe uma menina me pediu em namoro, sim foi ela que me pediu e viramos namoradinhos por 2 dias. Na saída da escola ela me beijava varias vezes na bochecha e eu gostava muito, talvez por carência paterna, no terceiro dia eu matei aula pulando o muro da escola e fui pego pelo diretor que me levou pra sala dele, minha namoradinha veio comigo e perguntou se eu queria terminar com ela e eu disse, sem o menor sentimento nas palavras, que sim.
quando eu tinha 10 anos meu pai mudou a oficina pra um lugar maior e mais longe de casa, eu gostava de ir andando por que assim era um modo de conhecer as ruas da minha cidade, quando fui no primeiro dia da oficina nova eu vi que o garoto filho (11 anos) do pintor estava lá também, ele não ajudava praticamente em nada o pai dele, ficava sempre brincando com alguma coisa assim como eu fazia.
nossa função era somente abastecer a água do freezer, tínhamos que atravessar a rua e abastecer no estacionamento de um prédio do outro lado da rua as garrafas e deixar o carote cheio do bebedouro lá que o mecânico pegaria depois.
uma vez fomos encher as garrafas e aproveitamos pra conhecermos melhor o lugar e encontramos um deposito onde tinha varias coisas: lajotas torneiras, tintas, alguns livros..
comecei a folhar um que parecia um caderno de desenhos quando de repente o garoto chega por traz de mim e se encosta, ele lembrava muito bem daquele tempo, abaixou meu shot e começou a me encoxar, eu me fazia de estátua novamente, em pé imóvel sem reação enquanto ele fazia o que queria, fizemos isso umas 3 vezes mas ele não fazia muita coisa, só esfregação.
eu achava aquilo bom e desconcertante pra minha mente atrapalhada por essas ocasiões.
Ele parou de ir na oficina e eu não notei muito essa falta, pra falar a verdade achava que eu tinha mais tempo pra brincadeiras de verdade quando ele não estava por perto.
quando eu fiz 11 anos um garoto novo começou a trabalhar na oficina como ajudante do lanterneiro, ele devia ter uns 15 anos
uma vez estávamos no fim da tarde o pessoal todo conversando lá na frente do galpão e eu e o rapaz sentamos no carro ouvindo a rádio, não lembro como começou a conversa mas ele perguntou sobre pênis e coisa e tal e sentado no banco do motorista tirou pra fora o dele e mostrou que tava bem duro, eu achei surpreso pois não sabia que ficava daquele tamanho, nunca reparei nisso no filho do pintor mas nesse rapaz não tinha como não reparar, era muito avantajado pra idade dele, ele pediu pra eu mostrar o meu também e eu disse que não, e logo ele disse que devia ser pinto de bebê..fiquei pensativo pois o meu era pequeno demais comparado ao dele e logo me vi excitado olhando o pênis grande que ele tinha, uma enorme ponta vermelha e muitos pelos em volta.
eu me senti totalmente diferente dele…
certa vez no horário de almoço eu e ele ficamos sozinhos e do nada ele fez a proposta de fazermos troca-troca, uma nova palavra que eu não conhecia… ele disse que se eu deixasse ele enfiar o pinto dele em mim ele deixaria eu enfiar o meu nele.
como eu era novinho nunca tive opinião pra nada, dificilmente dizia não pra alguma coisa que pediam, eu aceitei por pressão mas não queria nada disso…fora que ele era maior que eu no tamanho e me via constrangido ou com medo de dizer que não.
ele abaixou meu short, achei aquilo esquisito mas não comentei nada pois como sempre eu somente ficava petrificado. ele enfiava com muita dificuldade e doia demais e queria dizer pra parar com aquilo que eu não gostava mas sempre tinha medo de dizer algo, ele forçava ainda mais, com saliva foi de uma vez…aff a dor era muito forte eu sentia que estava sendo ferido naquela situação e criei coragem e disse pra ele parar…
lacrimejei e disse que não queria fazer isso nunca mais, que era dolorido..ele viu que fiquei nervoso e chorando e disse pra mim tudo bem tudo bem…ta bom não vou fazer mais e virou e disse que se eu quisesse eu poderia fazer o mesmo com ele.
eu não estava em condição nem de raciocinar direito com tudo aquilo que tava acontecendo e disse que não queria mais nada daquilo “fora o fato dele ser bem maior e mais alto que eu” e fui embora pra casa todo dolorido.
Ele não foi mais trabalhar na oficina depois disso e nunca mais vi ele novamente, e nada desse tipo aconteceu até eu completar meus 12 anos.
nessa época eu me viciei em um desenho chamado Cavaleiros do Zodíaco.
eu comprava de tudo que era relacionado a essa anime.
uma vez comprei um CD que tinhas todas as musicas e sempre levava comigo quando ira pra oficina a tarde…eu estudava de manha de sempre depois do almoço eu ia pra oficina pra me ver livre da minha madrasta.
entrava nos carros que não sairiam logo do conserto e ficava ouvindo as musicas do meus Heróis de infância a adolescência de portas trancadas…
nesse mesma época um cara novo (tinha 17 anos) entrou na oficina e nem percebi que ele sempre olhava eu cantando sozinho e de repente ele bate no vidro da porta e pergunta o que eu estou ouvindo eu disse muito envergonhado que era musica de criança que ele nem devia conhecer.. ele disse que tb gostava de musicas assim mas no fim das contas acabei nem ligando pro que ele falou e levantei o vidro de novo e fiquei lá ouvindo as musicas.
uma vez no final da tarde eu tinha ajudado a fazer uma faxina geral no deposito onde guardavam todas as ferramentas e fiquei exausto no fim de todo trabalho e deitei em um banco comprido de caminhão que havia lá dentro e dormi.
não percebi que peguei no sono e não sabia que não tinha ninguém na oficina somente o cara novo que já de calça abaixada começou a tentar me penetrar, eu sentia aquilo entrado e era forte dolorido e aquela sensação boa me invadia e o medo me dominava pois eu imaginei que a oficina estava cheia de gente ainda,
eu falava baixinho pra ele parar que tava doendo e ele continuava e disse: shi,..shi,..pera pera deixa só eu gozar.. (nova palavra que eu não sabia o significado) mas ele ficou muito tempo e logo parou e senti dores na região anal…eu sai dali morrendo de medo dele e de ter alguém na oficina por perto olhando aquela situação toda…
Na minha vida aconteceram essas coisas mas nunca foi por que eu quis e sim por que eu era usado pra satisfazer esses CARAS que surgiram ao longo de minha infância a adolescência..sei que sou culpado, sei que sempre deveria ter dito NÃO mas poxa…!!eu era coagido a fazer essas coisas, eu não tinha trejeitos, eu não tinha a pinta que gostava disso ..então por que sempre algum cara queria fazer sexo com um garoto???

hoje tenho 25 anos ..queria muito desabafar e contar sobre minha vida por mais que eu saiba que ninguém vá ler por inteiro.

 

Reportar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *

30 Comentários

  • Caramba, eu li todo. Independente da sua orientação sexual hoje em dia, você foi estuprado nesses casos todos, isso é triste demais :c

  • Cara eu li todo, fiquei na dúvida no final. Afinal qual sua opção sexual hoje?

  • O problema está na ausência da sua mãe. Meninos devem ser supervisionados a brincar com meninos da mesma faixa etária para descobrir sua opção sexual sem abusos. É por isso que os homens de hoje estão confusos achando que são gays. O sexo fisiológico não tem nada haver com opção sexual. O problema é que ele vicia e fecha as portas para o auto-conhecimento de seus praticantes.

  • Meu amigo, pelo seu relato, você sempre tinha o costume de descansar deitado “de bruços”, posição bem convidativa para quem quisesse fazer sacanagem com você. Talvez se descansasse de lado ou de barriga pra cima, não teria sido penetrado aos 12 anos. Meninos com essa idade, se bonitinhos e tiverem pernas bonitas, bem torneadas, são alvos preferidos de alguns adolescentes loucos pra “afogar o ganso” em sua primeira vez.
    e alguns acabam gostando da experiência.
    Espero que vc tenha superado essa experiência. Abraço.

  • Eu li tudo. Esses caras eram pervertidos. Te induziram a uma escolha qe talvez hoje poderia não ser a sua.

  • muito interessante seu conto espero que seja real e não inventado. pois ja mi vi na situação dos seus amigos sempre fui ativo e sempre gostei de se masturba com coleguinhas na infância e sempre tinha algum que cedia , mais nada anormal nessa idade de se conhecer e conhecer o sexo do outro faz parte da cultura acho eu , hj tenho 50 anos mais tenho tesão em mim masturba pensando em meter bem gostoso em outro ou deixa ele mamar bem gostoso , seja feliz amigo

  • Fantasia exagerada sua….aafff.

  • No final da infância e início da adolescência é normal sexo entre garotos, é a descoberta..rsrsrs.. Entre a molecada sempre existe os dominantes, os seguidores e os dominados e estes são presas fáceis e acabam liberando a bunda.
    De alguma forma os machos dominantes percebem a passividade de certos meninos, mesmo que estes não necessariamente deem sinais de afeminados ou delicados.
    Você dava sinais de passividade e uma vez assediado cedia aos seus próprios desejos, ou seja, no fundo você gostava de ser a fêmea, de ser desejado e acho que sente vontade de ser enrabado até hoje, más tem medo e vergonha de assumir.

  • Não vi abuso algum. Os amiguinhos chegavam o bambu nele e ele deixava por que estava sentindo prazer. Se não quisesse, teria reagido, impedindo.
    Se tivesse sido ameaçado, forçado ou apanhado, aí, sim, teria sido abuso.
    Quando garoto, alguns moleques queriam fazer sexo comigo, e eu os rejeitava. E outros, eu aceitava, e fazíamos um troca troca que foram muito bons e deixaram saudades. De vez em quando eu me masturbo pensando nisto e me dá prazer até hoje.

  • Comigo foi quase o mesmo. comecei a fazer troca/troca com dois amigos, um mais velho 1 ano, o outro mais velho 3 anos. Nos troca/troca, eu era sempre a “fêmea” e eles eram apenas “machos”.

    Ainda -, fui brincar com meu amigo mais velho 1 ano, estava lá um vizinho dele era nestes encontros de brincadeira que fazíamos o troca/troca. Passado algum tempo meu amigo pede para fazer troca/troca, eu respondi, mas está ai esse, ele respondeu, eu já lhe disse o que fazemos e ele também quer fazer contigo. Começou o meu amigo a fazer e entretanto o vizinho dele tirou para fora o – e logo de seguida foi ele a penetrar-me. Começou a forçar e eu sentia muita dor, ele forçava mais e a dor aumentava, eu lagrimejava, sentia-me -, mas na minha inocência aguentei, com o passar do tempo a dor foi abrandando e comecei a ter prazer.
    Mantive relações com eles até +/- os meus 25 anos, idade com que casei. Fui habituando-me à dor, e digo, que a dor me dava muito prazer.
    Agora tenho 48 anos, continuo casado e muitas vezes sinto vontade de ser “fêmea”.
    Eu não me sinto culpado, pelo contrário, tenho saudades do prazer que tive com isso.
    Por isso, não te sintas culpado e faz o que mais gostas…

  • Cara, encare isso como uma descoberta sexual. Foi doloroso na hora, mas na confusão mental você acabou não tendo reação. Isso pode ter te influenciado na sua vida adulta, mas siga em frente.
    Há quem ache um absurdo a ideia de que a criança sente prazer, mas eu me lembro muito bem de quando, antes da puberdade, ficava ali no cantinho da piscina por onde saía água, colocando meu pênis bem próximo dessa saída, e era muito bom.
    Instintivamente você pode ter permitido, apesar de ter sido um erro de quem estava fazendo isso com você. No começo você deixou, mas depois passou a ser doloroso. Isso com certeza mexe com a cabeça da criança.
    Há quem diga que isso torne a pessoa gay, mas existem vários fatores aí. Se você é gay, já havia algo que indicaria isso.
    O desejo pelo sexo surge naturalmente. Se for forçado, estará pulando etapas e, quando não é a hora, dói.
    O sexo anal existe entre casais homos e héteros. O sexo anal existe. Você foi forçado a experimentá-lo quando ainda estava em formação. Pulou-se etapas, e você nem sabia o que queria, mas agora sabe do que se trata, sabe como é quando alguém faz isso. Mas não encare isso como fator decisivo. Encontre aquilo que te atrai. Busque em você mesmo, seja sincero. Não deixe que nada te atormente, e siga o seu instinto, a sua verdade, seja ela qual for.
    Não pense que você cometeu um erro. Quem errou foi quem fez isso com você. Mas não nutra raiva, isso vai acabar com você. Siga em frente. De alguma maneira, isso ampliou a sua visão de mundo. Você teve a sorte de se recuperar (não acontece com todo mundo!) e agora pode reiniciar sua jornada nesse campo. Abraço.

  • Interessante sua historia
    entre em contato cmg para conversarmos mais
    skype :

  • Primeiro: Você não é o culpado, que as vezes você não tenha conseguido dizer “não”. Quando somos crianças raramente já temos uma personalidade forte ou conseguimos dizer “não”, por medo da reação do outro.
    Por mais difícil que seja, não devemos nos culpa por algo que nos fizeram na infância. E para ser sincera, eu não sei como fazer para voltar a ser normal, só sei que é preciso seguir em frente sem deixar que essas coisas sejam uma desvantagem.
    Eu não faço a mínima ideia de quem está lendo isso ou se alguém leu, mas espero que não seja inútil.
    Quando aprendemos a dizer não, sinceramente, acho que é a melhor coisa que pode acontecer.

  • Se os meninos tem a mesma idade isso é muito normal,agora quando tem uma diferença de idade vem também a diferença de porte físico,o que pode ser considerado um abuso.Muitos ped.filos foram abusados na infancia,muitos gays também.Nenhum psicólogo explica isso.Eu fiz troca com uma pessoa da mesma idade,porque vimos coisas pornográficas e estávamos repetindo sem saber,na inocência,não estava preparada para o ato sexual,mas foi prazeroso,mas ao mesmo tempo vergonhoso,depois esqueci e voltei a ser criança perdendo a virgindade bem tarde,sou hétero.Acho que existem muito homofóbico devido ele não aceitar essas experiencias passadas.

  • Amigo, somos o que somos, não adianta dizer que foi forçado, que não queria, aconteceu e foi bom. Tudo acontece na hora certa. Vc podia ser muito novo, não saber oq acontecia, mas com certeza sentiu tesão e deixou rolar, seja homem pelo menos para admitir que gostou e curtiu. Aconteceu comigo e eu deixei, queria muito mais, mas infelizmente não aconteceu, mas agradeço a deus pelo ponto onde chegou. Não seja hipócrita o que vc sente é falta.

  • Eu li tudo, e infelizmente esses abusos são mais comuns do que nós imaginamos, e como somos crianças não sabemos ao certo o que podemos considerar certo ou errado, somos frágeis e não conseguimos nos defender, agimos por instinto… E isso provoca um estrago enorme na formação da nossa personalidade… Queria poder te dar um abraço agora, e falar que ta tudo bem e que agora vc já é um homem e decide se quer ser vitima ou viver a vida como queira.. Te recomendo do fundo do coração ajuda psicológica… Deus te abençoe e te oriente nessa sua caminhada…

  • Minha história é identica a sua, com algumas exceções, fui abusado entre 04 e 05 anos duas vezes….tentaram novamente aos 8 só que não conseguiram e pois fiz um escanda-lo. Tb sentia tesão vendo foto de mulher…tudo foi embra…superei de certa forma, procure além da matéria suas razões…

  • Sim, eu li tudo, mas pare de se fazer de vítima. Em todo teu comentário vc nem sequer menciona nada sobre fé ou Jesus. Não estou te condenando, pois todos temos pecados, de um jeito ou de outro. Mas pra vencer o pecado é necessário se firmar com Cristo, sem fé, vc não pode vencer. Por isso vc não consegue compreender as coisas espirituais, e não sabe que desde seu nascimento os demônios estão agindo na sua vida, foram eles que mandaram todos esses caras assim de repente, do nada, o diabo manda e eles vão mesmo pra te deixar confuso até fazer vc acreditar que é um homossexual. Uma vez feito o estrago na mente, muito dificlmente alguém poderá voltar a ser uma pessoa “normal”. Entregue o teu caminho ao Senhor jovem pra fugir disso tudo aí, pois os demônios fazem a festa na sua família, e se vc não acreditar nisso, melhor ainda pra eles.

    • O cara conta que foi estuprado várias vezes quando ainda era uma criança, e vem gente dizer que ele era o pecador?! Vai me desculpar amigo, mas quem ta precisando de Deus aqui não é ele.

    • Ele era uma criança, não tem nada a ver com religião, que nojo.

    • Aff… Comentário infeliz o seu. Você deveria procurar ajuda com um psicólogo

      • Ahh, e vcs 3 que se incomodaram tanto, pode ver que são ATEUS modinhas, que não acreditam em Deus… Right!!. Vivem muito longe de Deus, e se acham tão superiores que os pobres religiosos ignorantes, por isso se incomodam tanto e acham um absurdo um comentário cristão. Então, o que estão fazendo aqui, num site cristão???? Vão vcs procurar ajuda com um psicólogo, pra aprender a respeitar uma opinião diferente da sua.
        Ah, depois, sejam mais inteligentes, e tentem mudar na Constituição o artigo que fala sobre liberdade de opinião, de crença e de Religião, tenta lá Ateu, quem sabe seja uma forma mais inteligente de acabar com os coitado dos crentii urtrapassadu, bando de Ateusssss modinhas Kkkkkkkkkkk

    • Cara,você considerou o seu texto como um desabafo,o que mim faz pensa que ainda não superas-te esses ocorridos,se for o caso precisa determina seu conceito quanto a sua sexualidade e fundamenta a ordem dos fatores positivos e negativo de suas experiências vividas ao decorre de sua história ate o seu presente,se assim fizer com certeza consiguirá liberta-se de qual que pensamento de bloqueio.

  • Já parou pra pensar que a sua orientação sexual é devido a este abuso sexual que teve na infância? Procure a Deus amigo.

  • Bem, eu li tudo que escrevestes… Nunca passei por algo parecido, apesar de haverem abusado sexualmente de mim, e você acaba de ser a única pessoa a que conto isso…
    Sinceramente, acho que você só precisa saber que não tem culpa; esses caras são pedófilos… Abusaram sexualmente de você… Mas acho que assim como eu, você simplesmente não sabia o que estava acontecendo; então simplesmente conviva com isso, pois infelizmente (acho) faz parte de você, parte de seu eu, de sua história… Não podemos mudar algo cometido, entretanto o que você fará disso? Essa é uma escolha sua. Obrigada por me ouvir, também, enfim, obrigada por compartilhar sua história, e siga enfrente.

    • O instinto é um “moinho de pedras” algo que o ser humano precisa domar, se quiser viver bem protegido e realmente feliz. Isto nem todos aprendem ao longo da vida. A energia do ciclo vicioso que gera esta atitude “pedofilia, abusos…” é a indiferença e a impunidade. Não é normal. O calar consente. As forças dominam e os inocentes pagam por se encontrarem vulneráveis. Para além das fantasias que talvez seja o propósito. O que faltou como elemento essencial para todos os agentes nesta história foi “um lar” com amor proteção e princípios.