Gosto de exibir minhas parceiras – III

Para quem não entender o início do texto, recomendo ler as confissões I e II desta série.
Eu já estava bem contente com o que minha esposa andava fazendo em termos de exibicionismo e os prazeres que aquilo me trazia. Não me passava pela cabeça qualquer ideia de traição ou caso fora do casamento, pois minha esposa me satisfazia completamente.
Entretanto, problemas familiares dela e meus criaram uma situação insustentável e decidimos dar um tempo no casamento. Depois de tantos anos juntos, nos separamos.
Foi quando quase que por um acaso encontrei Sophia (claro que o nome foi alterado). Uma italiana que tem negócios no Brasil. Eu a conheci num um voo de Paris para o Rio de Janeiro, onde ela estava preparando a seleção de elenco para um show daqueles típicos para turistas estrangeiros e me convidou para assistir o processo de seleção dos dançarinos e artistas.
Começamos então um romance que logo me arrebatou, pois ela é muito intensa em tudo o que faz. Após uns meses de romance e numa noite em que o vinho rolou solto, começamos a falar de desejos e fetiches e acabei por contar a ela sobre as experiências com minha ex.
Sophia ficou muitíssimo interessada no assunto e em saber os detalhes de minha paixão por exibir a esposa e quis que eu deixasse bem claro se aquele fetiche tinha relação apenas com a esposa ou se estendia a qualquer mulher que estivesse comigo. Assegurei a ela que o sentimento era com qualquer mulher que eu sentisse afeto e desse carinho. Curtimos muito as situações que imaginávamos acontecer, mas confesso que não me dei conta de que aquele interesse de Sophia tinha uma razão de ser.
Numa noite, em minha casa, nos preparávamos para ir a um barzinho, quando sugeri que ela usasse algo ousado para a ocasião, pois era sábado e passava das 10 da noite. Como não haveria muita gente nos bares por não ser fim de semana, o momento era apropriado.
Ela gostou da ideia, mas não estava preparada para se vestir de maneira ousada, pois não havia trazido nada especial na bolsa. Isto é, não tinha qualquer roupa que pudesse ser usada de forma ousada. O jeito foi usar uma jaqueta jeans minha que cabia bem nela (ela é mais alta que eu). Ela colocou a jaqueta sem nada por baixo e começou a se pentear e maquiar. Ficou realmente muito bonita. O jeans era de qualidade e com acabamento em metal.
Estava tudo pronto para minha nova experiência e eu pensava como estaria a cabeça dela em relação a quantos botões da jaqueta ela toparia deixar aberto. Eu estava acostumado com a discrição de minha ex e das dificuldades em convencê-la no início a se exibir. Por isso, não tinha ideia de como Sophia reagiria quanto ao grau de ousadia usando aquela jaqueta e uma minissaia.
Ela abotoou três dos cinco botões metálicos e me olhou de um jeito que eu entendi que tinha o direito de abrir mais. Eu estava disposto a abrir mais um e deixar para abrir mais ou não quando estivéssemos com alguns drinks na cabeça. Mas resolvi fazer uma brincadeira e a provoquei abrindo três botões e deixando apenas um fechado.
Ela nem pestanejou e foi calçar os sapatos. Eu achei que ela estava entrando na pilha, mas que na hora de sair, fecharia um ou botões, mas não foi isso o que aconteceu. Quando estávamos no elevador, eu mencionei que ela puxasse um pouco a roupa, pois do ângulo que eu estava podia ver seu peito esquerdo por inteiro. Ela respondeu de forma decidida e firme que “se fosse pra ficar puxando, preferia não sair daquele jeito”.
No bar em que estivemos os garçons discretamente se revezaram em servir nossa mesa e olhar aqueles magníficos seios absolutamente livres e bonitos. Foi uma noite de puro prazer, seguido de uma transa simplesmente maravilhosa.

 

Reportar Sexo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *

5 Comentários

  • Ola Cariocadagema, ache interessante isso, acho que isso apimenta a relação, deicha a outra pessoa com um ciuminho bom.
    adoro provocar meu namorado em lugares publicos muito bom mesmo.
    Como moro no sul e aqui é frio uma vez fiu a um barzinho com um casaco de lã azul até um pouco mais que a cocha e por baixo estava com uma lingerie, preta e com um salto alto preto… ele pirou a noite toda

  • Prezado Vernus,

    Obrigado pelo comentário e pelo apoio. Acho que todo e qualquer comentário tem seu lado bom. O nosso leitor Virjão pode achar palhaçada, mas sabemos que alguma coisa desperta dentro dele quando lê nossos (minha esposa e eu) honestos textos.

    Talvez ele admire a coragem que temos em confessar o que sentimos e tomara que ele se sinta tão bem quanto nós em abrir o coração. Quem sabe um dia ele tome coragem e ponha pra fora aquilo que está escondido lá no fundo de sua alma.

    Quanto a sua aposta, apenas digo que se um dia isso acontecer é porque minha esposa e eu decidimos juntos que seria o momento. Por enquanto, apenas escrevemos nossas deliciosas brincadeiras.

    Continue comentando e grande abraço.

    CG

  • Poxa, que legal.

    Você leu o texto inteirinho e até emitiu opinião sobre o que escrevi.
    Obrigado, é gente como você que faz o sucesso deste blog.

    Abraço,

    Carioca da Gema

    • Não de atenção para esses babacas só estão aqui para falar besteiras. Você confessou que gosta de exibir suas parceiras, isso que é importante, e achei legal. Tenho certeza que na sua próxima confissão vai revelar que tem um grande desejo de ser corno

  • De novo esse palhaço, aki e um site de confissão! Soh mais um conto pra punheteiros.