Aborto: Sei que Deus me perdoou, mas eu não

Conheci uma pessoa no ano de 2011, bem na época do carnaval mas acabamos não tendo muito contato nessa época. Alguns meses depois acabamos nos aproximamos e iniciamos um relacionamento. Estamos os dois com 15 para 16 anos, mas em momentos diferentes na vida. Eu estava passando por uma época de tempestades na vida , estava um pouco fragilizada com alguns acontecimentos e isso afetou um pouco a nossa relação. Afetou porquê ele queria um relacionamento sério comigo e eu queria apenas bagunça, mas nunca aceitei seus pedidos de namoro porque não queria feri-lo . Ficamos assim por um tempo, até que no ano novo de 2012 aceitei namorar com ele. Desde que começamos a ter relação, eu comecei a tomar um anticoncepcional injetável e tínhamos nossas relações sem camisinha. Antes do ano novo porém, tivemos uma briga e eu parei de tomar a injeção por um mês. Quando começamos a namorar e tivemos de novo relações, achamos que nada aconteceria, porque normalmente quando se toma por um tempo esse tipo de anticoncepcional, para engravidar demora um tempo. Contei o dia que tinha ficado menstruada e resolvi voltar a tomar, apliquei e seguimos a vida normalmente. No primeiro mês da minha menstruação atrasada, achei que era por causa da minha alimentação ruim, mas depois percebi que não era isso. Sempre fui magra e de repente havia um volume na minha barriga. Conversamos então sobre ter que fazer um exame. Morava com meu pai na época, minha mãe havia se mudado para João Pessoa um ano antes. Meu pai e eu tínhamos uma relação muito complicada, estava vivendo de uma forma muito ruim nas custas dele que pouco fazia por mim, não contei para ninguém sobre a duvida. Tive um problema em fazer o exame de sangue porque eu não tinha identidade, tive que fazer uma e esperar pra pegar para poder fazer o tal de exame. Nesse período, eu e A* (prefiro não colocar nomes) estávamos vivendo em uma expectativa de saber se estava ou não gravida, foi um momento que acredito que nunca mais viverei novamente. Ele me iludiu com declarações sobre família, beijava minha barriga como quem estava contente e me apaixonei por ele nessa época como nunca tinha sido em nenhuma outra de nosso relacionamento, percebi que era capaz de qualquer coisa por ele e ele por mim. No dia que fizemos o exame e tivemos a confirmação da gravidez, tudo mudou. Ele era outra pessoa e eu não sabia mais o que fazer. Nesse mesmo dia conversamos e ele começou a colocar na minha cabeça que não era hora de termos filhos, que éramos muito novos e eu estava arruinando a vida dele. Foi horrível imaginar que eu, a pessoa que mais o amava no momento, faria tão mal a ele. Nunca tirarei a minha parcela de culpa disso, mas eu estava sozinha, achava que só tinha ele e estava o perdendo, consenti em fazer. Tive sonhos cabulosos, de acordar chorando buscando a realidade, ligava para ele em pânico. Ele comprou uns remédios com a tia de uma amiga da escola… Elaborei que ele me daria e eu tomaria em casa, ele percebeu e me pediu pra ficarmos na casa de sua avó falecida, que não tinha ninguém e eu fui. Não me lembro a quantidade, acho que foram dois remédios (oral e um introduzido) era a madrugada de uma quarta pra quinta, dormi. No dia seguinte, logo pela manhã, começou a acontecer. Sentia cólicas delirantes, não conseguia comer e beber nada, uma diarreia sem fim. Consegui dormir até as 18. Acordei pior ainda, estava sentindo contrações e o feto estava lutando para não ser expulso, A* me deixou no quarto sozinha e foi pra rua, delirei muito sozinha naquela casa. Quando ele voltou, implorei pra que me largasse em um hospital e fosse embora, estava querendo morrer com a mistura de dor e arrependimento quando me dei conta que meu filho não queria de forma alguma sair de dentro de mim, ele mais uma vez disse algumas coisas que eu já não me lembro. A dor era tremenda, cada vez mais fortes e mais frequentes, em um momento senti um liquido descer e achei que estava fazendo xixi e fui no banheiro, fiz uma pequena força e ouvi o barulho. Chamei A* e relatei ainda sentada, ele mandou eu levantar e quando o fiz, ainda tinha alguma coisa presa e sentei de novo e ai desceu. Desabei nesse momento, fiquei muito tonta e passando mal e fui para o quarto. Ele chamou um amigo para tirar o feto de lá, não sei o que foi feito. Logo em seguida, ele veio até a mim e disse “Graças a Deus”, me senti a pior pessoa do mundo. Na quinta-feira de manhã, fui pra casa sabendo nada mais seria da mesma forma. Fiquei mal, cólicas e o peito doendo porque já tinha leite e estava empedrando . A* aproveitou para curtir bastante festas, me trouxe um remédio para o leite e saiu o fds todo com amigos. Desabafei com algumas amigas que me acolheram nesse momento tão horroroso no qual eu mesma me coloquei. Não me sentia digna de Deus, mas buscava sua presença em orações e pedidos de perdão todos os dias. Ainda hoje, sofro demais em ter passado por isso, as vezes não acredito que é a minha vida. Imagino como seria se tivesse seguido meu coração e feito as coisas por mim e não por alguém que não me considerou. Hoje estou com alguém que me ama, cuida de mim e me acolhe quando esse episódio retorna em meus sonhos. Não vivo a vida como se isso não tivesse acontecido, mas deixo meu coração entregue a Deus e Ele sabe exatamente tudo o que sinto em relação a isso. Ele me ampara em momentos de desespero e sei que cuida do anjo que meu de presente e eu devolvi … todos os dias peço perdão, me arrependo da pior forma possível. Mas sei que Ele esta cuidado de mim.

 

 

Reportar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *

8 Comentários

  • É impressionante o comentário de pessoas odiosas aqui. Deus te perdoa sim, somos humanos e erramos varias vezes. Não se preocupe com o que os outros falam.

  • O quê?? Você tinha leite no peito?? Péra! De quanto tempo era essa gravidez, amiga? Porque uma coisa eu garanto, leite somente após o colostro, que aliás vem em média somente no dia seguinte ao parto. Mas parto de tempo certo.

  • Não adianta ficar pensando no passado, no que já passou. No mito da medusa se a pessoa olha pra trás vira pedra. O passado ruim eu acho melhor esquecer esquecendo.
    Se vc pediu perdão a Deus uma única vez e foi de coração ele já te perdoou, não precisa pedir perdão pelo mesmo pecado, erro, 10 mil vezes.
    Esse cara só pensou nele. Saí fora.

  • Por isso e importante , antes de sair por ai transando com qualquer um, ter certeza ,que e a pessoa certa, espero que tenha aprendido a lição.

  • Seu erro foi grave né querida, se você é católica os cristã, Deus impôs o sexo só depois do casamento justamente para estas coisas não acontecerem.

    Eu sei que Deus perdoa tudo, contanto que a gente não faça de novo. Siga com sua vida

  • Eu passo por isso também Iza, me sinto culpada e arrependida.

    |Vc estará em minha oração.

  • Cada malabarismo que o crente faz para alterar a realidade para que caiba em suas fantasias do alem.
    .

    .
    Pelo que voce falou, já ter leite e barriga, com certeza estava com mais de 22 semanas ou seja, um ser humano praticamente formado.
    .
    De que adianta se arrepender quando a vítima não teve a mesma chance ? Só lamento -.

  • Olá boa noite, estou orando por você, não se crucifique flor, infelizmente a culpa foi mútua e o tempo lhe trará conforto.