Pedi a saída do seminário pra viver um amor

Tenho uma namorada e estamos juntos há 1 ano e 5 meses. Antes de conhece-la, eu era seminarista católico, estava muito feliz com a minha vida religiosa e também ansioso com a profissão de votos e a recepção da batina. Nesse tempo de seminarista fui um bom seminarista, servi a Igreja e aos fiéis, fiz meu papel com muita alegria e dedicação. Quando eu a conheci ainda estava no seminário. Nós conversávamos por Facebook e Whatsapp. Ali mesmo descobrimos que existia uma química muito boa entre nós. No começo de 2015 pedi a saída do seminário e me foi concedida e fui viver esse amor. No segundo mês de namoro ela pediu para ir morar na cidade dela, na casa de seus pais e eu fui, com esperança de firmar esse relacionamento. Porém, acabei tendo uma desilusão com ela: atração sexual por padres, freis e seminaristas. Eu vi em seu celular fotos comprometedoras, e do seminarista que ela estava conversando. Foi um grande choque para mim. Não sabia o que fazer. A minha vontade era de sumir, de fazer algo para não acreditar naquilo que vi. Chamei ela para conversar sobre aquilo e ela me disse que foi uma recaída, pois ela sempre teve aquilo e não sabia controlar. Eu aceitei ela de novo e ficamos bem. Ela engravidou e tivemos um filho. Nesse tempo do nascimento, por questões de conflito com a mãe dela, tive que sair da casa e aluguei uma para mim. Então a minha vida era trabalhar, estudar e sempre estar em contato com ela e com meu filho. Mas como sabemos, a tentação não deixa atentado e esse fantasma voltou para mim. Descobri que ela estava de conversa com um frei e o nível de conversa entre os dois era sexual. Palavras obscenas, coisas que uma atriz de filmes adultos faz e que de modo algum eu faria com ela! Meu Deus, pensei. Como pode isso! Nós temos um filho, estamos prestes a nos casar! Falei com ela. Em primeiro momento, ela quis negar, falou que era nada aquilo que eu pensava e eu estava enganado. Porém os instintos falam mais alto e eu comecei a proferir ameaças, dizendo que iria embora da cidade, que nunca mais ela iria me ver e que ainda levaria nosso filho comigo. Ela ficou abalada com isso e começou a chorar, abraçou nosso filho e dizer que eu não o tiraria dela. Não sei por que, mas aquelas coisas que eu disse me deram uma sensação de felicidade, como se o sofrimento dela me deixasse alegre. Ela insistiu ainda que eu não falasse disso aos pais dela, pois a situação iria se agravar mais, com chances de expulsão de casa. Ela sentou e queria conversar sobre a situação. Eu queria saber o porquê daquelas mensagens e das fotos e ela respondeu que foi recaída novamente. Mas eu não acreditei. Eu sabia que no fundo ela gostava daquilo, como se fosse prazeroso. Eu achei tudo muito bizarro. Eu disse que aquilo que ela fez foi uma traição, que foi um ano e meio jogados no lixo por causa de prazer, de fetiche por homens de Igreja. Perguntei se tudo aquilo que ela fez valeu o esforço. Ela não quis responder. Então perguntei se era amor que ela sentia por mim e aí ela respondeu me amava. Aí fiz outra pergunta: se ela me amava, por que ela fez aquilo e por que estava estava comigo e ainda por que teve um filho. Ela respondeu apenas que era o sonho dela ser mãe e eu concedi essa dádiva. Aquelas palavras foram como um punhal que dividiu meu coração ao meio. Não aguentei e chorei. Chorei porque percebi que fui um meio de ela ter um filho. Senti-me como um objeto de concepção. Ela entrou em prantos também. A que ponto cheguei! Parei de chorar e comecei a olhar o vazio. Veio em minha mente duas coisas: Perda de sentido de vida e a morte. Sim, a morte como libertação de tudo que me afligia. Olhei para ela, pedi que se acalmasse. Comecei a passar a mão em seu rosto, olhar nos seus olhos úmidos de lágrimas. Disse que ela estava perdoada e que ela vivesse a sua vida de ali em diante. fui ao berço, viu meu filho, sorridente e altivo, fazendo garrulices de bebê. Beijei e falei que estaria sempre com ele. Ela não entendeu e perguntou o que era aquilo e eu respondi que era uma despedida. Entrou em desespero. Ela chorou e eu fui embora. Não rompi laços com ela. Mas é esta minha confissão: meu desejo ainda é a morte, por mais que eu a ame e queira-lhe fazer feliz.

 

Reportar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *

8 Comentários

  • Cara, eu amo histórias de amor. E a sua é uma bela história de amor, bem dramática, mas não deixa de ser bela.
    Entendo que você esteja magoado e ferido pela sua namorada (afinal, você trocou uma vida por outra), e entendo o que está sentindo. Perder o sentido e a vontade de viver é o pior sentimento que alguém pode ter. Sou depressiva, então posso falar disso com propriedade, haha.
    Moço, vá viver sua vida. Se possível, recomece do zero. Deixe essa moça, é o meu conselho. Afinal, ela o traiu. Você estudou a Bíblia, então sabe o que Jesus disse acerca do adultério, não é? Se olhar para alguém com cobiça, já cometeu adultério no coração. Sei que dói, mas vai passar. Toda dor um dia passa.
    Apegue-se a Deus: Ele é o maior motivo para viver. Peça a Ele sabedoria e força para conviver com a dor. E viva sua vida, procure sua felicidade, ame o seu filho.
    Seja feliz. Olha, eu sei que você quer a morte. Você está passando por um momento muito ruim, e é normal que queira morrer. Mas, olha, como eu disse acima, eu sou depressiva. Constantemente penso em morrer, em tirar a minha vida. Mas nunca fiz isso pois sei que machucaria a Deus e as pessoas que me amam. Então, pense bem antes de fazer qualquer loucura, hein? Pense em Jesus, no seu filhinho, na sua família. Se a dor não passar, aprenda a conviver com ela.
    Estou torcendo por você.

  • So uma perguntinha bem básica. Tem certeza que o filho é teu ? Se enganou vc 1 vez por que não pode enganar 2 vezes. Abre o olho.

  • Espero que pelo menos vc tenha terminado a teologia e a filosofia. Mulher num que nada com nada. Só quer dinheiro e só. Pra isso elas são espertissimas.
    No meu ponto de vista não vale a pena trocar Deus por uma mulher cheia de mudanças.
    O tempo dirá se vc tomou a decisão certa. O pouco de experiência que eu tenho acho que vc ferrou.
    Mulher em todo lugar tem.

  • Olha acho que vc por mais dificil que seje deve continuar sua vida sozinho sem se afastar de seu filho claro, pq não vai ter sossego na sua mente com essas revelações. Infelizmente vc percebeu que isso não passa. Bem é a minha opinião. Boa sorte

  • Burro foi você de confiar em mulher, tem que ser muito inocente mesmo. Agora a cagada já esta feita , faz a vasectomia igual eu sem filhos e bola para frente.

  • Parece um conto esse seu episódio de vida, amigo. mas estranha a personalidade dessa mulher: sonhos com batinas e depois sonhos em ser mãe. E você sempre aturtido a cada nova descoberta, e então se sentindo usado e atraiçoado. Constante essas sensações, não é mesmo?
    ”por mais que eu a ame e queira-lhe fazer feliz.” Um pouco estranha essa frase, amigo. Por mais que a ame queria-lhe fazer feliz. Sim, quem ama sempre quer fazer o parceiro feliz, por mais que ame!… o.0
    rs

    • Creia, essa é minha história. E sobre a frase, minha vontade é faze-la feliz e também a amo, por mais que o desejo de morte fosse maior do que eu. Eu perdoei a sua traição e estamos reconstruindo a nossa vida de novo. Eu tenho um filho e quero viver com minha família, para família e por minha família. Eu deduzo que ela tenha um problema psicológico para ela ter esses comportamentos. Quero reverter esse quadro.

      • Desculpa, com todo respeito, sem julgar mal, apenas na sinceridade: você vai sofrer muito. Pela sua história deu para ver que você foi mais uma tara para ela entre várias outras, e continuará sendo, poderia ser qualquer outro em seu lugar que ela conseguisse para realizar o “sonho” de ser mãe e firmar-se com um “padre”, e calhou que você atendeu a isto. Os outros devem ter sido mais espertos e se envolvido apenas para tirar prazer e seguido suas vidas. Sinceramente, se eu fosse você voltava para o seminário e me arrependia de tudo o que fiz (pois você teve relações fora do casamento e ainda teve um filho fora de uma união matrimonial, quando poderiam ter esperado), ou arranjava outra pessoa, até pela futura saúde mental do seu filho. Esta pessoa pode acabar te traindo fisicamente, não só por ferramentas virtuais, a vida muda muito, você parece ser novo, há muito chão, e como dizia o Rocky, o mundo é cruel, e vai te dar tantos tapas quanto forem necessários, não deixe este olhar se tornar um olhar triste e vazio, que é o que ocorre com muitos quando a vida passa e vão aumentando as pedras no caminho, desculpa, cara, mas se livra disto, se quer mulher, arranja outra pessoa e orienta a mãe do seu filho, com toda educação, a buscar um tratamento, qualquer que seja,