Incesto: um erro sem volta

Sou mulher de 36 anos, tive minha filha quando eu tinha pouco mais de 16 anos. Por muito tempo eu trabalhava e ficava pouco em casa para acompanhar o crescimento de minha filha, especialmente entre a pré-adolescência – adolescência, uma fase complicada na qual me arrependi muito por ter ficado pouco presente na vida de minha filhinha. Foi nessa época que aconteceu algo horrível com ela e que só descobri depois: meu marido, pai dela, abusava sexualmente da própria filha. Quando descobri briguei com ele, denunciei ele para a polícia e me mudei com minha filha para outra cidade. Eu me culpei muito pois eu deveria ter cuidado melhor de minha filha, especialmente devido ao fato de eu também ter sido abusada na infância e adolescência e eu deveria ter cuidado melhor dela, mas eu trabalhava muito exatamente para pagar bons estudos, roupas, acessórios e todos os mimos que ela precisava. Só negligenciei na parte de não cuidar dela a ponto de não ter percebido que meu ex-marido abusava dela, aquele desgraçado. Quando fomos morar sozinhas nos tornamos grandes amigas, amigas de sair juntas, de conversar sobre tudo. Eu, embora sempre me considere hétero, já tive várias fases bissexuais e nunca tive medo que minha filha fosse homossexual. Uma certa época ela tinha uma amiga muito próxima, por volta dos 15 anos, e vez ou outra a amiga dela dormia em minha casa, e ela dormia outras vezes na casa da amiga. Eu observava aquilo com inocência até que um dia acabei tentando investigar o que elas faziam a noite, instalei uma camera e descobri que as duas tinham um caso. Não falei nada para minha filha. Elas continuaram juntas secretamente um certo tempo até que se separaram e minha filha passou a namorar um garoto. Ela gostava muito dele, até me apresentou ele, ele era muito bom até que ele teve que mudar para outro país e ela sofreu muito. Ela ficou muito deprimida, não se alimentava direito, perdeu todo brilho que tinha. Eu fiquei com coração partido vendo aquilo e nada do que eu fazia ajudava. Até que teve uma vez que ela ficou quatro dias sem nem tomar banho, eu acabei ficando nervosa com ela, arranquei a roupa dela e a levei para o banheiro para se limpar. Ela e eu ficamos muito nervosas, mas dei banho nela à força até que ela começou a chorar e me senti muito mal. Fui abraçar ela ainda embaixo do chuveiro, pedi desculpas, e ficamos ali nos molhando e abraçadas até que fui dar vários beijinhos no rosto dela e em certo momento ela se mexeu, e nossos lábios se tocaram. Naquele momento ficamos meio paralisadas pois aquele pequeno toque acabou se mostrando mais sensual do que devia. Percebi que ela parou de chorar naquele momento e acabei não me segurando, beijei minha filha de forma muito carinhosa. O beijo começou leve, com ternura, até que acabamos nos deixando levar pelo momento e fizemos amor embaixo do chuveiro, como duas namoradas. Depois dormimos juntas como um casal, nos beijamos varias vezes e vi que no dia seguinte ela estava mais animada com a vida, me agradeceu por eu ser uma mãe tão incrível. Eu me sentia muito culpada e confusa, assustada assim que “caiu a ficha”. Ela saiu pra rua e fiquei em casa me sentindo suja, culpada, sentia que tinha abusado de minha filha. Quando ela voltou a noite, parei para conversar com ela, pedi desculpas por tudo, pedi para esquecermos tudo, ela concordou comigo e combinamos de nunca mais tocar no assunto. Infelizmente não cumprimos nossa promessa e tempos depois, passados alguns meses, quando eu estava triste pelo término de um namoro, ela veio me consolar com um beijo quente, não resisti e fizemos amor de novo. Depois deitamos juntas e ela me perguntou pq não podíamos fazer aquilo quando tivéssemos vontade, eu falei: “Filha, isso é pecado, é errado, somos mãe e filha”, ela pediu desculpas e tentamos não voltar a fazer aquilo. Mas tivemos outras recaídas. O pior é que depois de alguns anos, ainda vez ou outra ficávamos, ela já tinha namorado vários garotos até que ela estava gostando de uma garota e queria se assumir lésbica, cortar o cabelo curtinho e tudo mais. Eu tentei aconselhar a ela continuar feminina, e ela seguiu meu conselho. A garota que ela amava morava muito longe e tinha um amigo em comum com ela, aí ela acabou se envolvendo com o amigo e parou de se interessar pela garota que ela amava antes. A garota que minha filha amava então tentou se aproximar de mim, ficamos amigas, e um dia percebi que eu estava afim da garota. Minha filha então descobriu que eu estava gostando da garota e ficou com muita raiva de mim mesmo ela não sentindo mais nada pela garota. Com raiva de mim ela saiu de casa e foi morar com o garoto que ela estava ficando. Me sinto tão culpada por tudo… errei tantas vezes e de tantas formas… que muitas vezes penso apenas em tirar minha vida.

 

Reportar Sexo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anti-Spam *

10 Comentários

  • Incesto não devia ser pecado,fazer amor com aqueles que amamos,é melhor do que fzr sexo com pessoas que fingem que amam gente,usa e depois joga fora como se fosse copo decartável,pq um pai não pode sentir tesão pela filha,ele cuida da carinho,roupa comida,pq não pode ter na cama a filha,a mãe aqui julgou o pai,mas fez a mesma coisa com a filha,se os três ficassem juntos na putaria,tds seriam felizes pra sempre,só acho.kkk

    • Meu Deus… Incesto é errado porque, veja bem, se um pai engravidar a filha por exemplo? A probabilidade da criança nascer com um problema é grande. Se o filho engravidar a mãe? Mesma coisa. É estranho pensar em pais fazendo sexo com filhos, eles já se casaram, já tem alguém pra fazer isso e mesmo se não tiverem podem arrumar outra pessoa fora da família, mas vão sentir tesão logo pela própria criança que geraram? Além do mais, há muitos casos de abusos registrados em famílias, como de um pai sentir desejo pela filha pequena e abusar dela até a adolescência. Isso sim não é normal. É horrendo. Pai e mãe servem pra criar e dar carinho e educação sim, mas ter atração sexual já é demais né. Seria uma grande suruba familiar, como alguém pode achar normal e legal isso? É nojento em todos os sentidos.

  • Bates Motel versão mãe e filha kkkkk

  • incesto entre macho e femea é excitante e logico, até entre homens é admiravel, mas o lesbico cega a ser nojento (misericordia!)

  • Contra o “meu marido, pai dela, abusava sexualmente da própria filha.”….temos o “minha mulher, mãe dela, abusava sexualmente da própria filha.”…por isso, eu digo…tendo oportunidade…enfia a rola.

  • abuso não foi pelo fato das 2 estarem de acordo com a situação

  • Não sei quem é a mais louca e doente…. Se é você ou a filha?!
    kkkkkk

  • Amiga, recomendo que assista o Caio Fábio no YouTube, e se possível mandeu um email contando sua história, tenho certeza que ele irá te guiar e ajudar a tomar um novo rumo. Tirar a sua vida de nada irá resolver, fique em paz e que Deus te ilumine!

  • “Embora não possamos voltar no tempo e criar um novo começo, podemos recomeçar agora e criar um novo fim.” – Palavras de um ex-presidiário latino.
    Sei que esta num momento difícil, mas o fato de perceber os erros e querer mudar, já é um sinal, já é o que basta, pois querer é poder. Você pode dar a volta por cima. Enquanto o folego da vida arde em você, tem a chance de fazer diferente. Este é o momento, justamente, de se apegar a fonte de vida. Tenho certeza que é uma bela mulher, não pelo exterior só, mas pelo coração. Teu coração tem valor para a fonte da vida, para Deus. Olha, todos temos nossos erros, mas se nos arrependemos e queremos, as coisas mudam sim. Esta é a hora de chegar no teu quarto, sozinha, e se dobrar, chorar e até desabafar diretamente com Deus. Lembra que através de Jesus, hoje temos o contato direto com Ele. Faça isso. Dê um tempo, e busque força orando a Deus, lendo a Bíblia(Recomendo Salmos e o Evangelho de João). Não, não to querendo fazer propaganda de religião, mas to falando de vida. Como mulher experiente, sabes que tudo aqui é passageiro, mas sabem também que a coisa que nos move é o Pai.
    Dê este tempo, e verá as coisas se resolverem.. Depois de um tempo, tente falar com tua filha. Fale para ela justamente daquilo que Deus vai fazer em tua vida. Ele vai te dar forçar pra mudar e acrescentar coisas boas em tua vida. Com certeza vai aparecer uma pessoa certa na tua vida, que vai te abraçar forte e te saciar, enviado de Deus. Se quiser uma música para expressar o que sente com o teu Pai do céu, recomendo “Não tenho dom – Marcela Tais”. Só não desanima. Por favor! Eu não te conheço, mas se tem uma coisa que neste tempo Deus me ensinou, foi a enxergar o valor das pessoas. Tua história de vida não acabou, calma, deixa o Pai a reescrever. Ta bom, linda mulher? Força..